Seculo

 

Governo Hartung dá sinal verde para Vale utilizar créditos fiscais


04/10/2017 às 13:53
O governo do Estado autorizou nesta quarta-feira (4) a mineradora Vale a utilizar seus créditos fiscais acumulados decorrentes das exportações – através da Lei Kandir – na importação de máquinas e equipamentos. O termo de acordo, assinado pelo secretário da Fazenda Bruno Funchal, não aborda os valores envolvidos, mas o rombo aos cofres públicos pode chegar à casa dos bilhões de reais. Em seu demonstrativo financeiro mais recente, a Vale anunciou que tinha um total de US$ 2,03 bilhões em tributos a recuperar, entre eles, os créditos tributários alvos do incentivo.
 
Em agosto do ano passado, o governo capixaba já havia tentado conceder um benefício semelhante à mineradora. Em ato do então secretário Paulo Roberto Ferreira – hoje chefe de gabinete do governador Paulo Hartung (PMDB) –, a Sefaz autorizou a utilização de R$ 129,4 milhões em créditos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da Lei Kandir. A iniciativa só não deu certo pela existência de erros no termo de acordo que se baseou em leis que não estavam mais em vigor.
 
Na época, foi cogitada a edição de um novo ato, porém, a medida sofreu forte resistência de setores da sociedade civil e da área fiscal do Estado por abrir mão de arrecadação no momento em que o governo alegava queda nas receitas. Mas nem mesmo a continuidade da política de “ajuste fiscal” de Hartung parece ter demovido o governo de conceder benesses à Vale. A mineradora acumula esse tipo de crédito por conta de sua atividade. A Lei Kandir desonera a exportação de commodities e produtos semielaborados do recolhimento de ICMS.
 
O Termo de Acordo nº 005/2017 não fala sobre valores envolvidos nesta operação, porém, o prazo de fruição (período de uso desses créditos) começou no último domingo (1º) e vai até o dia 30 de setembro de 2019. Os créditos acumulados poderão ser usados na compensação do imposto devido na importação de máquinas, equipamentos, peças, partes e componentes, destinados a integrar o seu ativo permanente imobilizado da mineradora. Pela fórmula do imposto, a empresa deve pagar o tributo devido no exato momento em que o ativo é importado.
 
Esse tipo de renúncia fiscal acaba não entrando no total divulgado pelo governo, através da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Para este ano, a previsão é de que o Estado deixe de arrecadar R$ 1,1 bilhão em favor dos empresários. Até 2020, a renúncia total deve ultrapassar R$ 4,62 bilhões, somente em valores admitidos. A obscuridade nos dados divulgados pelo governo Hartung fizeram o Ministério Público de Contas (MPC) cobrar mais informações sobre os incentivos concedidos pelo Palácio Anchieta.
 
Em maio deste ano, o MPC protocolou uma representação no Tribunal de Contas do Estado (TCE), pedindo a abertura dos dados sobre benefícios entre 1989 e 2016. O órgão ministerial quer acesso aos estudos técnicos que balizaram o cálculo da renúncia fiscal do Estado de 2017 até 2019, além dos valores acumulados em créditos de ICMS este ano.
 
No fim de 2016, o plenário do TCE julgou improcedente uma denúncia feita pelo Fórum das Carreiras Típicas do Estado (Focates), que também pedia a abertura da “caixa preta” dos benefícios. Alegando a existência de sigilo fiscal, a Secretaria da Fazenda negou acesso aos valores do patrimônio e a renúncia fiscal por cada empresa incentivada. A solicitação direta dos dados faz parte da nova estratégia do MPC para garantir o acesso aos dados que, nos últimos anos, vem sendo escondidos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio