Seculo

 

A metamorfose: David Bowie


05/10/2017 às 00:46
O conhecido músico de veia teatral, também ator de cinema, também foi intitulado o camaleão do rock. David Bowie que tem o nome original David Jones, mas tal nome poderia ser confundido por um seu quase homônimo da banda de fachada Monkees, o que levou o cantor a assumir Bowie no nome, do pioneiro norte-americano, famoso por uma proeza com faca, e a primeira metamorfose, portanto, se deu com seu nome artístico, David Bowie.
 

Major Tom consegue a atenção do mundo com Space Oddity, mas é em Ziggy Stardust que a estrela de Bowie vai brilhar com mais intensidade, isto depois de ter passado por experimentações de grande quilate como os álbuns The Man Who Sold the World, de 1970, e Hunky Dory, de 1971. Mas é com o andrógino e alienígena Ziggy Stardust que Bowie mergulha na nascente do glam rock, que talvez tenha começado a explodir com Marc Bolan em sua banda T-Rex, com o álbum Electric Warrior de 1971.

O alter ego é um sucesso, e leva Bowie a ter crises de identidade, a encarnar a persona de tal forma que esta foi objeto de uma ruptura radical, mas antes temos o estrondoso sucesso do álbum The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars, no sucesso da música Starman. A combinação de sua veia teatral com sua música se faz então de forma plena com Ziggy Stardust, aquele que vinha de outro mundo para salvar a Terra, mas que se depara com o rock.

A ideia para Ziggy Stardust vem tanto de um cantor de psychobilly de Lubbock, Texas, chamado The Legendary Stardust Cowboy, como também de Vince Taylor, cantor de rock do início da década de 1960, este que depois pirou com alucinógenos dizendo ser um mensageiro de Cristo. “Encontrei com ele algumas vezes em meados dos anos 60”, disse Bowie. “Não estava nada bem da cabeça.” Outros também tiveram influência nesta invenção de Bowie, como o pioneiro do rock Gene Vincent, além das influências mais conhecidas de Lou Reed, do The Velvet Underground, e seu amigo Iggy Pop, figura sui generis que veio da banda de proto-punk The Stooges.

As suas apresentações como Ziggy se devem também a seus estudos de teatro no início da carreira na mímica que aprendeu com Lindsay Kemp, e ao fim do trajeto com o afamado alienígena andrógino temos um apanhado geral dos álbuns Ziggy Stardust e do Aladdin Sane, até sua aposentadoria abrupta no famoso show em que Ziggy Stardust dá adeus aos palcos e a banda é demitida ali mesmo, este que é o show no Hammersmith Odeon, Londres, em 3 de julho de 1973.

No fim do show, antes do bis com “Rock ’n’ Roll Suicide”, Bowie falou para o público: “Este não é apenas o último show da turnê, mas também o último que faremos. Tchau. Amamos vocês”. Ziggy Stardust ainda teria presença forte, no entanto, em álbuns como Aladdin Sane e Diamond Dogs, sendo este um descolamento gradual que só se daria plenamente a partir do álbum Young Americans de 1975.

E é no aclamado álbum Station to Station de 1976 que nos aparece uma nova persona inventada por David Bowie, que será a figura de Thin White Duke, imagem na qual vai se misturar os interesses de Bowie naquele momento, que serão misticismo, Cabala e Nazismo, em meio a uma rotina paranoide de uma dieta com cocaína, pimentão e leite, mas que é, no entanto, uma fase criativa de Bowie que terá muita propriedade em sua obra, que vem da fase mais funk e soul do Young Americans, e que em Station to Station vai ter contato com o krautrock, e que já apontava para a Trilogia de Berlim.

Trilogia que terá no primeiro álbum Low, de 1977, já uma janela que vem do Autobahn do Kraftwerk e que abrirá caminho para bandas do pós-punk como o Joy Division, por exemplo.  A Trilogia de Berlim que contará com o apoio da produção do ex-tecladista do Roxy Music, Brian Eno, e o álbum Low que dará seguimento também a Heroes e Lodger. Trilogia que envolve álbuns muito mais introspectivos do que sua face roqueira mais conhecida até então com Ziggy e a fase folk do começo, trilogia que trará um minimalismo principalmente em Low e Heroes.

Falando então da Trilogia de Berlim, em 1976, por sua vez, Bowie terá seu interesse pela cena musical da Alemanha despertada e isto, junto com o seu vício em drogas, o levará, enfim, a se mudar para a Berlim Ocidental, para uma retomada criativa do seu trabalho musical. E então, junto com a produção de Brian Eno, temos a composição de músicas minimalistas e ambientais, com Low sob a influência do krautrock do Kraftwerk e do Neu!, num tipo de música abstrata e quase sem letras.

Heroes, por sua vez, seguindo a trilha minimalista de Low, inovou ainda com elementos pop e rock, na tensão de uma Alemanha dividida pelo Muro de Berlim, e que tem no último álbum da Trilogia, o Lodger, um distanciamento da música ambiente e minimalista dos dois primeiros álbuns, indo abraçar uma temática mais ligada às origens de guitarra rock e do pop da carreira anterior de Bowie, de um lado, numa mistura bem intensa de World Music com New Wave, de outro lado.

David Bowie também é bem lembrado na sua aparição e na trilha sonora do conhecido filme alemão Christiane F., uma história baseada em fatos reais sobre uma adolescente viciada em heroína na década de 1970, ou seja, um filme lançado em 1981 de conteúdo biográfico que envolve a dependência de heroína de uma jovem na Berlim ocidental, em que Bowie aparece como ele mesmo num show no filme. Trilha sonora do filme que tem tanto o Station to Station como algumas canções da Trilogia de Berlim.

Blackstar, por fim, lançado em 8 de janeiro de 2016, no aniversário de 69 anos de Bowie, era o canto do cisne do músico, pois o produtor Tony Visconti logo revelou que a morte de Bowie dois dias depois do lançamento de Blackstar, em 10 de janeiro, que aquilo era um plano de Bowie e um presente de despedida para seus fãs antes de morrer de câncer no fígado.

E a figura de Lazarus é emblemática nesse sentido, pois o músico tinha sido diagnosticado com a doença dezoito meses antes, mas optou por não anunciar seu estado de saúde para o público, e Lazarus seria uma inversão de uma ressurreição para fora do mundo, uma espécie de renascimento, mas para outra vida. Aqui a figura bíblica ganha carga dramática sui generis de uma morte que parece extremamente cuidadosa, somente após o lançamento de seu último som em vida, Blackstar, uma viagem cronometrada que é denodo e respeito profundo a seu público.

Por sua vez, Tony Visconti, produtor musical de Bowie, disse: “Ele sempre fez o que quis. E ele queria fazer as coisas do jeito dele, e da melhor maneira possível. Sua morte não foi diferente de sua vida - uma obra de Arte. Ele fez Blackstar para nós, é o seu presente final.”
 
Link recomendando : https://www.youtube.com/watch?v=sI66hcu9fIs
 


Gustavo Bastos, filósofo e escritor
Blog : http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo