Seculo

 

Ex-prefeito de Iúna é absolvido da acusação de mau uso de verbas públicas


05/10/2017 às 14:46
O juiz da 1ª Vara de Iúna (região Caparaó), Rafael Murad Brumana, julgou improcedente uma ação de ressarcimento ao erário, movida pelo Ministério Público Estadual (MPES), em face do ex-prefeito do município, Rogério Cruz Silva. Na sentença publicada nessa quarta-feira (4), o magistrado afastou a ocorrência de mau uso das verbas públicas em vários contratos firmados no exercício de 2008. A sentença de mérito ainda cabe recurso.

Na denúncia inicial (0002924-76.2015.8.08.0028), o MPES alega que o então prefeito deixou de controlar o cumprimento de diversos contratos, além de não fiscalizar a aplicação dos recursos, causando um eventual dano ao erário municipal. A ação teve como base uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que citou gastos com combustíveis, transporte escolar, material para escolas e despesas com refeições. O órgão ministerial pedia a devolução de R$ 1,43 milhão.

Durante a instrução do processo, a defesa sustentou que o ex-prefeito não poderia ser responsabilizado pelo fato dos secretários municipais terem competência para a realização da fiscalização. Rogério Cruz também afastou a ocorrência de dolo (culpa) e má-fé por parte do agente, elementos fundamentais para a caracterização da improbidade administrativa. Ele lembrou ainda que o TCE decretou a prescrição da pretensão punitiva, como afastou qualquer tipo de punição ao político.

Na sentença, o juiz Rafael Brumana afastou essa possibilidade, pois as ações de ressarcimento de danos causados por agente públicos são imprescritíveis. Em seguida, ele analisou individualmente cada ponto da denúncia. Em nenhum deles, as suspeitas teriam restado comprovadas, de acordo com o togado.“Já decidi em caso semelhante que a inobservância de formalidades legais para a efetivação de gastos públicos não importa, por si só, na obrigação de ressarcir a importância despendida, sendo necessário apurar se houve perda patrimonial, pelo uso das verbas públicas em proveito próprio ou de terceiros de forma estranha ao interesse público”, observou.

A sentença foi assinada no último dia 25 de julho e ainda cabe recurso por parte do MPES e do Município - que também figura como interessado no processo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Piero Ruschi
A decadência da celulose
O plantio de eucalipto destinado à produção de celulose no Estado sofrerá reduções extremamente positivas ao capixaba
Gustavo Bastos
Conto carnavalesco
''Qual é o sentido do carnaval para você?''
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hora do plano B

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

Quem dá mais?

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus