Seculo

 

Esquema do lixo exalou em Fundão


05/10/2017 às 16:02
Os mais de cinco mil eleitores que elegeram o novo prefeito de Fundão no último domingo (1) devem estar com um pulguedo inteiro atrás da orelha. Nessa quarta (4), ou seja, pouco mais de 48 horas após o Tribunal Regional Eleitoral confirmar a eleição de Pretinho e da vice Alexsandra, a Promotoria de Justiça do município enviou à Justiça uma grave denúncia envolvendo o contrato de lixo Prefeitura. 
 
De acordo com o promotor Egino Rios, Anderson Pedroni, eleito prefeito em outubro de 2016, mas que teve a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral por improbidade, seria o mentor do esquema que pretendia tirar o contrato dos serviços de lixo da empresa Fortaleza Ambiental e Gerenciamento de Resíduos e entregá-lo a empresários que teriam financiado sua campanha eleitoral. 
 
Como revela a reportagem de Século Diário, com base na denúncia da Promotoria, Pedroni encarregou sua irmã, Roberta Pedroni – atual secretária de Saúde do município — e o vereador Sandro Lima (PEN) para fazerem o papel de intermediários no esquema, classificado pelo promotor como “associação criminosa”.
 
Resumindo a denúncia, Pedroni teria recebido dinheiro para a campanha de 2016 de empresários ligados ao setor de limpeza em troca de entregar os contratos de coleta de lixo às empresas dos seus financiadores, tão logo assumisse a prefeitura em janeiro deste ano. O problema foi que Pedroni ganhou, mas não levou. Impugnado pela Justiça Eleitoral, Pedroni não pode cumprir seus compromissos de campanha. Sem data para reverter a decisão da Justiça, Pedroni, segundo a denúncia, teria articulado um esquema para tirar o contrato das mãos da empresa Fortaleza. 
 
Como a estratégia de intimidação não funcionou, ele propôs à empresa, por meio de seus operadores, que fosse pago a seu grupo uma propina de R$ 30 mil mensais. Caso a Fortaleza aceitasse o acordo, Pedroni deixaria a empresa cumprir em paz o restante do contrato. 
 
A tentativa de corrupção acabou fracassando e Pedroni tampouco conseguiu reverter sua situação na Justiça Eleitoral. Sem o mandato, ele encontrou um atalho para voltar à prefeitura mesmo que indiretamente. Lançou Pretinho Nunes (PDT), seu candidato a vice em 2016, na cabeça da chapa, e sua mulher, Alexsandra Pedroni, como vice. Deu certo.
 
A denúncia do promotor Egino Rios ainda está sendo analisada pela Justiça, que poderá ou não acatá-la. Independentemente da decisão da Justiça, a denúncia do Ministério Público parece ser muito consistente. O promotor ouviu 11 testemunhas que confirmaram o esquema empreendido por Pedroni.
 
Ironicamente, uma das medidas da Justiça Eleitoral para tentar coibir a corrupção foi o fim do financiamento empresarial de campanha, que passou a vigorar na eleição de 2016, justamente a disputada por Anderson Pedroni. Mas a denúncia da Promotoria de Fundão e tantos outros casos que estouram todos os dias pelo País mostram que o mecanismo não surtiu efeito. 
 
Esta semana, o Congresso também aprovou a reforma política. Para os mais otimistas, uma esperança de tentar moralizar o deteriorado processo eleitoral brasileiro e torná-lo menos vulnerável a esquemas de corrupção. Sem o dinheiro dos empresários, o Congresso aprovou um fundo eleitoral de R$ 2 bilhões que se junta ao fundo partidário, interando R$ 3 bilhões para ser torrado em campanhas eleitorais. 
 
Para um País com desigualdades abismais e necessidades plurais, a sensação do contribuinte é de que seu dinheiro está sendo rasgado. Pior, o fundo bilionário não será capaz de, ao menos, intimidar práticas lesivas como as supostamente cometidas em Fundão. 
 
Se confirmada a denúncia do MPES, Fundão é mais um caso que evidencia a cultura de corrupção no Brasil, que não se mede por escala. Como escreveu Michel Foucault (“Microfísica do Poder”), o poder não se encontra apenas nas grandes estruturas, mas está difuso em todos os lugares. Assim como a microfísica da corrupção está presente em um pequeno município com pouco mais de 20 mil habitantes.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio