Seculo

 

Cousa lança romance juvenil ‘Fininho’


06/10/2017 às 12:21
Fininho, uma criança tão magrinha quanto esperta, é o herói que dá título ao livro de estreia de Edmar Zorzal, lançado pelo selo Paralêlos, da Editora Cousa. No romance juvenil, o leitor acompanha e se emociona com as peripécias de um menino muito humilde, que questiona, sonha e persevera, vai em busca de seus sonhos, nessa jornada marcada por afetos e dores, vitórias e perdas e, sobretudo, pela determinação de realizar seus objetivos.
 
O autor toma como base aspectos de sua própria infância, também passada em Venda Nova do Imigrante - município onde a narrativa é ambientada. A intenção de Edmar, contudo, não foi escrever uma autobiografia. A infância por ele vivida é apenas a referência para construção de personagens e ambientes. 
 
“Não há como negar que há muito de mim em Fininho, e vice-versa. Mas acho que cada pessoa, ao ler esse livro, vai se identificar com esse menino em algum momento. Existem milhões de Fininho e Fininhas mundo afora. Homens e mulheres que tiveram trajetórias de esforço e superação, que foram meninos e meninas cheios de sonhos e questionamentos”, afirma Edmar.
 
Em comum com Fininho, o autor teve também uma infância humilde, praticamente sem livros em casa. E foi por meio da biblioteca da escola, incentivado pelos professores, que Edmar passou a ter contato com a literatura. “Eu tinha 12 anos de idade. O primeiro livro que li foi O Guarani. Fiquei apaixonado! De José de Alencar, fui para Machado de Assis, Graciliano Ramos e José Mauro de Vasconcelos, entre outros.”
 
A vontade de escrever um livro sempre acompanhou Edmar, que se formou na área de Ciências Contábeis. “Ao longo da minha vida, as pessoas elogiavam o que eu escrevia. Desde redações na escola a pareceres técnicos e trabalhos acadêmicos”, diz. A dedicação ao trabalho, na Cesan e como professor universitário, porém, não lhe proporcionou o tempo necessário para escrever ficção. 
 
“A vontade ficou guardada, até que, durante umas férias, pude mergulhar nessa história que agora trago ao público. Gostei do resultado e decidi avançar, buscando uma editora para publicá-lo, o que também não foi difícil.”
 
O livro, segundo o autor, não tem restrição de idade. Pode ser lido por uma criança de 10 anos, adolescentes, adultos, idosos. Para Edmar, todos levam dentro de si a criança que um dia foram. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Nacional x local

Ana Paula Vescovi, pupila de Hartung, a ''fúria'' do ministro Gilberto Ochhi, ligado a Marcus Vicente...

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Moradores impedem devastação ainda maior da Aracruz Celulose (Fibria) em Lagoa de Coqueiral

Nacional x local

Governo escolhe local para base da PM sem consultar moradores da Piedade

Câmara de Afonso Cláudio prepara instauração de auditoria na Cesan

Projetos de terceirização são paralisados pelo Estado e prefeituras