Seculo

 

Hartung usa agora narrativa externa para dentro do Estado


06/10/2017 às 16:11
Depois de conseguir consolidar na imprensa nacional o discurso de que o Espírito Santo está com as contas organizadas graças à política de austeridade empreendida por seu governo, Paulo Hartung (PMDB) passou agora a recorrer à mesma narrativa também para dentro do Estado. Na manhã desta quinta-feira (05), em palestra no Encontro Estadual de Administradores do Banco do Brasil no Espírito Santo, em Vitória, o governador advertiu que a única ameaça que pode desestabilizar o equilíbrio fiscal alcançado pelo Estado e a situação nacional, que Hartung classificou como “péssima”.
 
Hartung vem sendo colocado no debate conjuntural do País após criar uma narrativa de recuperação fiscal do Estado. Com a maioria dos estados em crise, Hartung, graças a uma política dura de ajuste fiscal, que comprometeu parte dos serviços essenciais, congelou os investimentos e brecou os reajustes salariais do funcionalismo público, conseguiu apresentar superávits nos balanços do Estado, o que tem sido visto fora do Estado como um modelo de gestão a ser seguido.
 
Nos meios políticos, há uma ideia de que o governador estaria pavimentando, com base nesse cenário no Espírito Santo, um discurso que poderia levá-lo a uma chapa presidencial, na condição de vice. Por isso, tem adotado um discurso mais genérico, tratando de questões nacionais.  
 
Na palestra, o governador Paulo Hartung lamentou o alto impacto da previdência aos cofres públicos e exemplificou a realidade do governo do Estado que, em 2016, destinou R$ 1,5 bilhão para cobrir “o rombo previdenciário do Poder Executivo Estadual”. 
 
Hartung manifestou otimismo para o cenário estadual, sobretudo em relação ao retorno das operações da Samarco, prevista para o próximo ano, e o leilão da ANP na área do pós-sal. Mas a preocupação de Hartung estaria no cenário nacional e aproveitou para emplacar o discurso que o insere no debate nacional, afirmando que é o momento das lideranças saírem da zona de conforto para discutir os rumos do Brasil. 
 
A estratégia de Hartung é adotar uma narrativa preventiva desde já. Se o equilíbrio fiscal desestabilizar daqui para frente, Hartung tentará transferir a conta do insucesso aos tropeços do governo federal. “Minha preocupação é com a influência nacional, que apresenta ambiente péssimo”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio