Seculo

 

Hartung usa agora narrativa externa para dentro do Estado


06/10/2017 às 16:11
Depois de conseguir consolidar na imprensa nacional o discurso de que o Espírito Santo está com as contas organizadas graças à política de austeridade empreendida por seu governo, Paulo Hartung (PMDB) passou agora a recorrer à mesma narrativa também para dentro do Estado. Na manhã desta quinta-feira (05), em palestra no Encontro Estadual de Administradores do Banco do Brasil no Espírito Santo, em Vitória, o governador advertiu que a única ameaça que pode desestabilizar o equilíbrio fiscal alcançado pelo Estado e a situação nacional, que Hartung classificou como “péssima”.
 
Hartung vem sendo colocado no debate conjuntural do País após criar uma narrativa de recuperação fiscal do Estado. Com a maioria dos estados em crise, Hartung, graças a uma política dura de ajuste fiscal, que comprometeu parte dos serviços essenciais, congelou os investimentos e brecou os reajustes salariais do funcionalismo público, conseguiu apresentar superávits nos balanços do Estado, o que tem sido visto fora do Estado como um modelo de gestão a ser seguido.
 
Nos meios políticos, há uma ideia de que o governador estaria pavimentando, com base nesse cenário no Espírito Santo, um discurso que poderia levá-lo a uma chapa presidencial, na condição de vice. Por isso, tem adotado um discurso mais genérico, tratando de questões nacionais.  
 
Na palestra, o governador Paulo Hartung lamentou o alto impacto da previdência aos cofres públicos e exemplificou a realidade do governo do Estado que, em 2016, destinou R$ 1,5 bilhão para cobrir “o rombo previdenciário do Poder Executivo Estadual”. 
 
Hartung manifestou otimismo para o cenário estadual, sobretudo em relação ao retorno das operações da Samarco, prevista para o próximo ano, e o leilão da ANP na área do pós-sal. Mas a preocupação de Hartung estaria no cenário nacional e aproveitou para emplacar o discurso que o insere no debate nacional, afirmando que é o momento das lideranças saírem da zona de conforto para discutir os rumos do Brasil. 
 
A estratégia de Hartung é adotar uma narrativa preventiva desde já. Se o equilíbrio fiscal desestabilizar daqui para frente, Hartung tentará transferir a conta do insucesso aos tropeços do governo federal. “Minha preocupação é com a influência nacional, que apresenta ambiente péssimo”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Hartung e seu muro
Sem a presença da senadora Rose de Freitas, evento com lideranças do PMDB vira palanque para o governador
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Em defesa da soberania

Hartung e seu muro

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Greve dos auditores da Receita Federal adia início do 'Bike VV'

Rabiscos eleitorais