Seculo

 

Hartung não tem nome para manter legado caso não dispute a reeleição


08/10/2017 às 19:16
Se as articulações do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga de colocar o governador Paulo Hartung em uma chapa presidencial, na condição de vice, avançar, o peemedebista passa  a ter um problema no Estado: terá que “construir” às pressas, coisa que não fez nesses anos, uma liderança em condições de sucedê-lo no Palácio Anchieta e se manter como sentinela do seu legado. 
A política centralizadora do governador impediu que outros membros de sua equipe conseguissem ganhar musculatura suficiente para uma disputa ao governo. As lideranças palacianas se prepararam para uma disputa proporcional. Até mesmo o vice César Colnago vinha vislumbrando uma disputa de deputado federal. Nos últimos dias, diante do fortalecimento de seu nome para a disputa interna do comando estadual do PSDB, surgiu a ideia de uma repetição da chapa vencedora de 2014: Hartung-Colnago.
 
O governador estaria trabalhando com as duas possibilidades: tanto de ganhar a musculatura de que precisa para se inserir no debate nacional quanto o fortalecimento para a disputa à reeleição no Estado. Com o surgimento de um movimento anti-Hartung forte no Espírito Santo, o governador teria dificuldade hoje para a reeleição. 
 
Mas no cenário nacional, graças a uma estratégia de marketing, consegue projetar uma imagem artificial de excelência em gestão que lhe dá alguma chance na articulação nacional. Mas para os meios locais, o governador só deixaria o cenário estadual se conseguir a garantia de que o governo ficará nas mãos de um aliado. Isso seria a garantia de acordos do governador, sobretudo com a classe empresarial do Estado, além de manter intacto seu legado. 
 
O governador tem tentado se aproximar de algumas lideranças, mas nenhuma delas teria a confiança necessária do governador para manter o seu legado. Em 2014, após ser obrigado a fazer um acordo com o PSB de Renato Casagrande, Hartung garantiu a manutenção do seus sistema de governo, mas para isso manteve vários nomes de confiança no governo do socialista. Para a disputa do próximo ano, o governador não teria uma liderança que tivesse a musculatura necessária e a confiança para o cargo. 
 
Ainda mais para a disputa em um cenário que pode ter opositores fortes na eleição, o que levaria o governador ao risco de ver o Palácio Anchieta e o controle político do Estado nas mãos de um adversário. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Piero Ruschi
A decadência da celulose
O plantio de eucalipto destinado à produção de celulose no Estado sofrerá reduções extremamente positivas ao capixaba
Gustavo Bastos
Conto carnavalesco
''Qual é o sentido do carnaval para você?''
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hora do plano B

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

Quem dá mais?

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus