Seculo

 

Filiações precipitadas podem ter inviabilizado Colnago no comando do PSDB


09/10/2017 às 11:18
O surgimento do nome do senador Ricardo Ferraço como uma “terceira via” para a disputa à presidência estadual do PSDB foi vista nos meios políticos como uma reação à manobra que culminou com a entrada do secretário de Agricultura do Estado, Octaciano Neto e do diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado (DER) Enio Bérgoli, na última terça-feira (3).
 
A movimentação pelas mãos do vice-governador César Colnago, que vinha construindo uma chapa de consenso, caiu como uma bomba no partido e pode ter inviabilizado a candidatura do vice ao comando da sigla no Estado como uma chapa de consenso. Reações internas e externas brecaram, inclusive, outras filiações de membros da equipe do governo Paulo Hartung. 
 
A entrada das duas lideranças foi vista como uma ação precipitada e feita de forma obtusa, sem o aval da Executiva Estadual. Isso irritou muitas lideranças que já não estavam satisfeitas com a possibilidade de Colango retornar ao comando do partido. 
 
Um sintoma dessa insatisfação é a fala do presidente do partido, Jarbas Assis, que antes admitia a possibilidade de Colnago conseguir a manobra no Conselho de Ética do Estado, mas agora já recorre ao precedente aberto com a negativa a Gilvado Vieira, em 2011, que na condição de vice-governador de Renato Casagrande foi impedido de presidir o PT capixaba. 
 
Até mesmo o prefeito de Vila Velha, Max Filho, aliado de primeira linha de Colnago não gostou da movimentação. Apesar da afinidade do prefeito com o vice-governador, a movimentação do Colnago poderia levar o prefeito a uma disputa dura pela presidência do partido no Estado. 
 
Para tentar acalmar os ânimos, Jarbas Assis propôs a entrada de Ricardo Ferraço na disputa. O senador está no processo de construção do consenso desde o início. Foi na casa dele a reunião da qual saíram as candidaturas de Colnago e Max Filho. 
 
O próprio Ricardo Ferraço estaria disposto a entrar na disputa para apaziguar os ânimos e buscar a unidade no partido. A mudança não alteraria o projeto palaciano de caminhar com o partido em 2018, afinal, Ricardo Ferraço teria condições de fazer a costura com o palanque de Hartung, evitando o trauma provocado pela precipitação e Colnago. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete