Seculo

 

Filiações precipitadas podem ter inviabilizado Colnago no comando do PSDB


09/10/2017 às 11:18
O surgimento do nome do senador Ricardo Ferraço como uma “terceira via” para a disputa à presidência estadual do PSDB foi vista nos meios políticos como uma reação à manobra que culminou com a entrada do secretário de Agricultura do Estado, Octaciano Neto e do diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado (DER) Enio Bérgoli, na última terça-feira (3).
 
A movimentação pelas mãos do vice-governador César Colnago, que vinha construindo uma chapa de consenso, caiu como uma bomba no partido e pode ter inviabilizado a candidatura do vice ao comando da sigla no Estado como uma chapa de consenso. Reações internas e externas brecaram, inclusive, outras filiações de membros da equipe do governo Paulo Hartung. 
 
A entrada das duas lideranças foi vista como uma ação precipitada e feita de forma obtusa, sem o aval da Executiva Estadual. Isso irritou muitas lideranças que já não estavam satisfeitas com a possibilidade de Colango retornar ao comando do partido. 
 
Um sintoma dessa insatisfação é a fala do presidente do partido, Jarbas Assis, que antes admitia a possibilidade de Colnago conseguir a manobra no Conselho de Ética do Estado, mas agora já recorre ao precedente aberto com a negativa a Gilvado Vieira, em 2011, que na condição de vice-governador de Renato Casagrande foi impedido de presidir o PT capixaba. 
 
Até mesmo o prefeito de Vila Velha, Max Filho, aliado de primeira linha de Colnago não gostou da movimentação. Apesar da afinidade do prefeito com o vice-governador, a movimentação do Colnago poderia levar o prefeito a uma disputa dura pela presidência do partido no Estado. 
 
Para tentar acalmar os ânimos, Jarbas Assis propôs a entrada de Ricardo Ferraço na disputa. O senador está no processo de construção do consenso desde o início. Foi na casa dele a reunião da qual saíram as candidaturas de Colnago e Max Filho. 
 
O próprio Ricardo Ferraço estaria disposto a entrar na disputa para apaziguar os ânimos e buscar a unidade no partido. A mudança não alteraria o projeto palaciano de caminhar com o partido em 2018, afinal, Ricardo Ferraço teria condições de fazer a costura com o palanque de Hartung, evitando o trauma provocado pela precipitação e Colnago. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Está começando o ano 2018

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Mais veneno para o Espírito Santo

Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio