Seculo

 

Prefeito de Irupi vira réu em nova ação de improbidade


09/10/2017 às 15:35
O prefeito de Irupi (região Caparaó), Carlos Henrique Emerick Storck (PSDB), virou réu em uma nova ação de improbidade movida pelo Ministério Público Estadual (MPES). Ele é acusado de promover um evento de casamento comunitário numa escola do município em setembro de 2016, durante o período eleitoral. O tucano era candidato à reeleição, tendo saído vencedor do pleito. Carlos Henrique responde a outros processos por supostos crimes eleitorais.

No último dia 13 de setembro, o juiz da 1ª Vara de Iúna, Rafael Murad Brumana, considerou que as provas apresentadas pela MPES eram suficientes para admitir a ação. “De outra plana, a defesa prévia apresentada, em que pesem os argumentos levantados, não oferecem elementos capazes de afastar totalmente, no limiar da presente demanda, a hipótese levantada pelo Ministério Público”, afirmou o togado.

Na denúncia inicial (0002282-69.2016.8.08.0028), o órgão ministerial narra que os réus Carlos Henrique Emerick Storck, Ary Leal Faria e Maria Conceição Leal de Sousa promoveram um evento de casamento comunitário em uma escola municipal, mediante solicitação do prefeito – então candidato à reeleição – que também participou da cerimônia. A promotoria aponta a existência de indícios de enriquecimento ilícito, prejuízo ao erário e violação dos princípios da administração pública.

A Lei Eleitoral proíbe os agentes públicos de fazer o uso promocional em favor de candidato na realização de serviços de caráter social custeados ou subvencionados pelo poder público. Pela norma, a conduta implica em atos de improbidade administrativa, além de crime eleitoral.

No final de agosto, o prefeito de Irupi virou réu em outro processo de improbidade por suposta compra de votos. O tucano foi acusado pelo MPES de oferecer o serviço de máquinas a terceiros sob a promessa de voto no último pleito municipal. Ele também é réu em uma ação que tramitava no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES). Essa denúncia foi recebida no início de junho.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

O poder político mudou de domicílio

Perfil de Marcelo Santos, um viciado governista, não interessa a PH no Tribunal de Contas. Mas, sim, um aliado fiel para todas as intempéries

OPINIÃO
JR Mignone
Sessão nostalgia
Músicas do passado continuam soberanas, encantando novos ouvintes e matando a saudade dos mais velhos
Geraldo Hasse
Aprimorando a arte das panacéias
Proliferam nas ruas os vendedores de panos de prato a 10 reais por meia dúzia
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O poder político mudou de domicílio

Polêmico projeto da Marina de Vitória é tema de audiência pública na Câmara