Seculo

 

Governo Hartung ainda não cadastrou poços artesianos no Estado


09/10/2017 às 19:40
A Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) prorrogou mais uma vez o cadastramento obrigatório de todos os poços de captação de água subterrânea - ou poços artesianos - no Estado. O novo prazo passou agora para 28 de fevereiro de 2018, dois anos depois da primeira Instrução Normativa nesse sentido, já publicada com décadas de atraso. A água subterrânea é utilizada em larga escala pelas poluidoras Vale e ArcelorMittal.
O primeiro ato exigindo o cadastro estipulava o prazo de três meses para os usuários efetuarem o procedimento. De lá para cá, já se passaram 20 meses. Mesmo assim, o governo do Estado adiou novamente a obrigação, sem aplicação de penalidade.

A alegação é "a necessidade de sistematização dos dados referentes aos usos de recursos hídricos para fins de estruturação do Cadastro Estadual de Usuários de Água Subterrânea" e que, "na prática, os prazos limites para o início da emissão das outorgas do uso da água subterrânea não se mostraram exequíveis".
Enquanto não cadastra os poços de captação de água subterrânea no Estado, a gestão estadual deixa de adotar os devidos procedimentos de outorga e licenciamento ambiental, como faz há décadas, comprometendo a água de reserva social, que deve ser priorizada para o consumo da população. A medida seria o “primeiro passo” para a implantação da outorga de direito de uso também para água subterrânea no Espírito Santo, que hoje só é exigida para a captação de águas superficiais, que abrange rios e lagoas. 
Além de permitir a captação sem exigência de qualquer procedimento, o governo do Estado não avalia os impactos da exploração da água subterrânea. A Vale e Arcelor, que utilizam os poços para abastecer suas fábricas, contaminam os aquíferos com bactérias e componentes químicos, que ameaçam a saúde dos moradores do entorno e ainda a agricultura e a pecuária (irrigação e dessedentação de animais).
Atualmente, para captar o recurso, as empresas só precisam fazer um registro no Cadastro Nacional de Usuários de Recursos Hídricos (CNARH), primeira etapa para a regularização quanto ao uso das águas subterrâneas, e depois acionar o órgão ambiental estadual com os pedidos para a abertura dos poços. Não enfrentam qualquer dificuldade, nem mesmo em plena crise hídrica.
A Vale, que tinha sete poços em 2007, passou a 87 em 2015. Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Pó Preto da Assembleia Legislativa, a empresa mentiu ao transformar os 87 poços para seu abastecimento em piezômetros (furos que servem para monitorar os níveis da água nos aquíferos). Em 2007, dos sete poços artesianos existentes, dois eram piezômetros. As unidades da ArcelorMittal Tubarão e  Cariacica, assim como a Vale, são grandes consumidoras da água subterrânea.
 
O cadastramento obrigatório dos poços também deveria abranger captações em nascentes, cacimbas, poços escavados de até quatro metros quadrados de abertura e ainda para os usos futuros de águas subterrâneas. O procedimento é feito pela internet, no site da Agerh. Os usuários receberão da Agência a Declaração de Uso de Água Subterrânea, com validade de um ano. Passado o prazo, os donos de poços que não o fizerem serão considerados irregulares e estarão sujeitos a multas, lacre dos poços e perda do direito a financiamentos e benefícios fiscais, como garante o governo. 
O novo ato de adiamento, publicado no Diário Oficial na última sexta-feira (6), é assinado pelo diretor-presidente da Agência Estadual de Recursos Hídricos, Leonardo Deptulski; pelo diretor de Planejamento e Gestão Hídrica, Antônio de Oliveira Junior; pelo diretor de  Infraestrutura e Reservação e Distribuição Hídrica, Anselmo Tozi; e pelo diretor Administrativo e Financeiro, Márcio Luis Bragato.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura