Seculo

 

Do limão, uma limonada


10/10/2017 às 10:56
Sancionada em julho passado, a Reforma Trabalhista passa a vigorar a partir de novembro próximo. A coluna chama atenção para um ponto dessa reforma que de vantagem pode se tornar uma dor de cabeça para a classe empresarial. Na década de 1980, o Movimento Sindical chegou a tomar como bandeira de luta a negociação, que acabou sendo contemplada nessa reforma. 
 
A ideia do empresariado foi a de tirar das mãos da Justiça normativa a negociação, que muitas vezes era prejudicial a eles e beneficiava o trabalhador. Pensam que, uma vez eliminando essa parte, vão poder extrapolar os limites, fazendo o que quiserem na hora de negociar a data base. 
 
Aí é que entra o movimento sindical. É hora de transformar o limão em limonada. É hora de fortalecer seu poder de mobilização, e sentar na mesa de negociação com força política para cobrar as garantias da classe trabalhadora. É hora de retomar as comissões de negociações, colocando o trabalhador na mesa ao lado do patrão, porque aí a coisa muda. 
 
A partir do próximo mês também começam as negociações coletivas de várias categorias. Vai ser um bom exercício para essa nova dinâmica. É hora de ver se os sindicatos, depois de tantos anos perdidos em batalhas internas pela perpetuação de poder, vão ter condições de se colocar como representantes mesmo da classe trabalhadora, negociando de igual para igual com o empregador. 
 
Poder de fogo para isso, o sindicato tem, ou teria. A capacidade de mobilizar, de paralisar atividades, de fazer greve. O empresariado tem como arma a demissão, mas o sindicato tem se que manter firme, afinal, sem trabalhador, não tem como produzir. 
 
Agora é hora de o sindicato mostrar força, união e comprometimento com as garantias dos direitos dos trabalhadores. É hora de negociar e mostrar que tem força na base. 
 
Segura, peão!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura