Seculo

 

Do limão, uma limonada


10/10/2017 às 10:56
Sancionada em julho passado, a Reforma Trabalhista passa a vigorar a partir de novembro próximo. A coluna chama atenção para um ponto dessa reforma que de vantagem pode se tornar uma dor de cabeça para a classe empresarial. Na década de 1980, o Movimento Sindical chegou a tomar como bandeira de luta a negociação, que acabou sendo contemplada nessa reforma. 
 
A ideia do empresariado foi a de tirar das mãos da Justiça normativa a negociação, que muitas vezes era prejudicial a eles e beneficiava o trabalhador. Pensam que, uma vez eliminando essa parte, vão poder extrapolar os limites, fazendo o que quiserem na hora de negociar a data base. 
 
Aí é que entra o movimento sindical. É hora de transformar o limão em limonada. É hora de fortalecer seu poder de mobilização, e sentar na mesa de negociação com força política para cobrar as garantias da classe trabalhadora. É hora de retomar as comissões de negociações, colocando o trabalhador na mesa ao lado do patrão, porque aí a coisa muda. 
 
A partir do próximo mês também começam as negociações coletivas de várias categorias. Vai ser um bom exercício para essa nova dinâmica. É hora de ver se os sindicatos, depois de tantos anos perdidos em batalhas internas pela perpetuação de poder, vão ter condições de se colocar como representantes mesmo da classe trabalhadora, negociando de igual para igual com o empregador. 
 
Poder de fogo para isso, o sindicato tem, ou teria. A capacidade de mobilizar, de paralisar atividades, de fazer greve. O empresariado tem como arma a demissão, mas o sindicato tem se que manter firme, afinal, sem trabalhador, não tem como produzir. 
 
Agora é hora de o sindicato mostrar força, união e comprometimento com as garantias dos direitos dos trabalhadores. É hora de negociar e mostrar que tem força na base. 
 
Segura, peão!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo