Seculo

 

Do limão, uma limonada


10/10/2017 às 10:56
Sancionada em julho passado, a Reforma Trabalhista passa a vigorar a partir de novembro próximo. A coluna chama atenção para um ponto dessa reforma que de vantagem pode se tornar uma dor de cabeça para a classe empresarial. Na década de 1980, o Movimento Sindical chegou a tomar como bandeira de luta a negociação, que acabou sendo contemplada nessa reforma. 
 
A ideia do empresariado foi a de tirar das mãos da Justiça normativa a negociação, que muitas vezes era prejudicial a eles e beneficiava o trabalhador. Pensam que, uma vez eliminando essa parte, vão poder extrapolar os limites, fazendo o que quiserem na hora de negociar a data base. 
 
Aí é que entra o movimento sindical. É hora de transformar o limão em limonada. É hora de fortalecer seu poder de mobilização, e sentar na mesa de negociação com força política para cobrar as garantias da classe trabalhadora. É hora de retomar as comissões de negociações, colocando o trabalhador na mesa ao lado do patrão, porque aí a coisa muda. 
 
A partir do próximo mês também começam as negociações coletivas de várias categorias. Vai ser um bom exercício para essa nova dinâmica. É hora de ver se os sindicatos, depois de tantos anos perdidos em batalhas internas pela perpetuação de poder, vão ter condições de se colocar como representantes mesmo da classe trabalhadora, negociando de igual para igual com o empregador. 
 
Poder de fogo para isso, o sindicato tem, ou teria. A capacidade de mobilizar, de paralisar atividades, de fazer greve. O empresariado tem como arma a demissão, mas o sindicato tem se que manter firme, afinal, sem trabalhador, não tem como produzir. 
 
Agora é hora de o sindicato mostrar força, união e comprometimento com as garantias dos direitos dos trabalhadores. É hora de negociar e mostrar que tem força na base. 
 
Segura, peão!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Revoada tucana

Que a saída de Majeski do PSDB é iminente, não há dúvida. Mas circula que os tucanos contrários ao projeto de Colnago pensam em bater asas com ele

OPINIÃO
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ministério Público vai destinar mais R$ 700 mil a gastos com terceirizados

Prefeitura de Vitória perde mais uma contra ocupantes do Santa Cecília

Movimento nacional para ser vice abre nova janela de oportunidade para Hartung

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba