Seculo

 

Justiça censura propagandas contra benefícios pagos a juízes capixabas


10/10/2017 às 12:33
O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sindijudiciário) terá que retirar todas as peças publicitárias alusivas à campanha salarial da categoria, em que critica os benefícios pagos à magistratura capixaba. A decisão liminar foi expedida pelo juiz da 3ª Vara Cível de Vitória, Marcos Assef do Vale Depes, que acolheu o pedido feito pela Associação dos Magistrados do Espírito Santo (Amages). Para ele, houve um “certo grau de exagero” no protesto da entidade dos trabalhadores. Além da censura, o juiz também fixou multa e exigiu que seja dado o mesmo espaço para a resposta dos togados.

O processo (0031849-94.2015.8.08.0024) foi ajuizado em outubro de 2015, quando o sindicato estava sua campanha pela concessão da revisão anual dos vencimentos. Apesar da previsão legal, o direito foi negado pela administração da época do Tribunal de Justiça (TJES), que começava a sofrer as consequências da crise fiscal. A campanha foi intitulada de “Ganância, não!” e era voltado ao tratamento desigual entre servidores e togados na Justiça capixaba. No final daquele ano, os trabalhadores ficaram mais de cinco meses em greve.

Na sequência, com o agravamento da crise financeira no TJES, tanto juízes, quanto serventuários não tiveram reajuste no último biênio, porém, a manutenção de gratificações a magistrados foi novamente alvo de críticas por parte do Sindijudiciário. Recentemente, o sindicato fez circular outdoors e nas redes sociais uma nova campanha “No TJES é assim...”, criticando novamente o tratamento pouco isonômico dentro da instituição. Na visão da Amages, os textos lançavam “dúvidas sobre a higidez de toda a magistratura capixaba”, por isso pediu a retirada imediata dos conteúdos.

Em resposta à ação, o Sindijudiciário reivindicou a liberdade de expressão e citou a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) que veda a qualquer tipo de censura. No entanto, o juiz Marcos Depes considerou que a liberdade de reivindicação e demais garantias avocadas pelo sindicato não são absolutas, devendo ser considerados outros direitos, como a preservação da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem.

“Não se pode negar que tais publicações, da forma como veiculada (material impresso, site, redes sociais), teve grande alcance na sociedade capixaba, achincalhando, desacreditando e desqualificando frente à população, de forma indistinta, toda classe da magistratura estadual, colocando em risco o interesse público, e, em última análise, o próprio Estado Democrático de Direito, a despeito do dever que obriga o réu a agir com responsabilidade e ética”, afirmou o juiz.

Marcos Depes foi o quarto juiz a assumir o processo, após outros três colegas se declararem suspeitos ou impedidos de julgar, um deles por ser diretor da Amages (Rodrigo Cardoso Freitas). Na instrução do processo, o Sindijudiciário chegou a levantar um incidente de exceção de suspeição por entender que nenhum juiz estadual – associado da Amages – poderia julgar o caso. Contudo, a liminar foi concedida antes mesmo de o pedido ser deliberado.

Na liminar, o juiz ainda tenta contemporizar: “Não se está, a toda evidência, negando à parte ré o direito de organizar seus sindicalizados para perseguirem suas pretensões, porque mencionada função, conforme salientado alhures, é deveras importante. O que não se pode permitir, todavia, é a postura ofensiva e o ataque direto a determinadas pessoas ou a determinadas categorias de servidores. Portar-se dessa forma, lamentavelmente, confere tom agressivo à luta (tão legítima) pela igualdade e melhorias nas condições de trabalho”, encerrou, criticando a postura do ente sindical.

A decisão fixou multa diária no valor de R$ 20 mil em caso de descumprimento da retirada de todo o material contestado, até o limite de R$ 600 mil. Também foi determinado que o sindicato disponibilize à Amages espaços idênticos aos utilizados para a veiculação dos outdoors no prazo de cinco anos. Todos os custos deverão ser arcados pelo sindicato dos trabalhadores para a “resposta” da magistratura. A liminar foi prolatada no último dia 29 de setembro.

Em comunicado à categoria na última semana, o sindicato anunciou que vai recorrer da medida. “A luta do Sindijudiciário-ES pelo restabelecimento dos direitos sonegados aos servidores ensejou em censura e ataque à organização sindical, materializada na decisão, que será objeto de todos os recursos legais”, diz a nota publicada na página da entidade no Facebook

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
Geraldo Hasse
Cuba, Congo e Bolívia
Em livro extraordinário, o jornalista Flávio Tavares exuma o cadáver do mito Che Guevara
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Prefeitura vende o Saldanha da Gama para a Fecomércio

Amaro Neto fica no Solidariedade e confirma disputa ao Senado

Comunidade vence Hartung: abertas matriculas no ensino médio noturno

Cuba, Congo e Bolívia

O último adeus do Adiós, Me Voy