Seculo

 

Defensoria aciona organismo internacional de direitos humanos por violência institucional


10/10/2017 às 15:54
A Defensoria Pública do Estado protocolou petição na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) pedindo providências a respeito das graves violações de direito ocorridas no Estado, resultantes de violência institucional.

A comunicação do órgão é referente ao caso de um morador de Colatina, no noroeste do Estado, vítima de tortura supostamente envolvendo 12 policiais militares, que não foram punidos por conta da prescrição do crime, que ficou quase 20 anos sem investigação adequada.

As provas reunidas no caso do morador demonstraram que ele havia sido brutalmente espancado, mas a leniência nas investigações não proporcionou que a ação chegasse ao resultado, uma vez que prescrição pela pena em abstrato.

Caso a petição seja aceita, o País pode ser condenado pela ausência de investigação adequada em processo que apura suposta prática de tortura.

O Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos e da Cidadania da Defensoria Pública se depara frequentemente com casos em que a Justiça não foi capaz de investigar adequadamente e punir atos que poderiam caracterizar práticas de tortura e outros tratamentos degradantes.

Dentre as atribuições dos defensores públicos está o acionamento sistema internacional de proteção de direitos humanos, como prevê a Lei Complementar 55/94, do Estado e a 80/94, federal. Essas normas possibilitaram que a Defensoria acionasse a CIDH no caso de tortura do morador de Colatina, além do ingresso em outra demanda, enquanto amicus curie, através do Núcleo Especializado de Infância e Juventude.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura