Seculo

 

Conselheiro substituto requer mudança de relator do pedido de suspeição contra procurador


11/10/2017 às 13:00
As polêmicas em torno do julgamento no Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobre a possibilidade ou não da contratação de consultorias pelo poder público não param de aumentar. Novamente, o conselheiro substituto Marco Antônio da Silva é o principal personagem envolvido. Após tentar, sem sucesso, a saída de um integrante do Ministério Público de Contas (MPC) nos casos em que atua, o auditor da Corte agora pede o impedimento do colega, conselheiro substituto João Luiz Cotta Lovatti, que é o relator do incidente de Marco Antônio contra o procurador de Contas, Heron Carlos Gomes de Oliveira.

Nessa segunda-feira (9), a conselheira substituta Márcia Jaccoud Freitas decidiu pelo conhecimento do pedido de impedimento, já que foram atendidos os requisitos formais necessários. Ela determinou ainda a suspensão do processo TC 6876/2017, que trata do pedido de suspeição do integrante do MPC, até a deliberação final sobre o caso. Antes, o julgamento do processo sobre as consultorias – que deu origem a toda essa controvérsia – já havia sido suspenso pela Corte.

No pedido de impedimento (processo TC 7603/2017), Marco Antônio alega que Cotta Lovatti já se manifestou sobre o caso das consultorias, que motivou o pedido de suspeição do Ministério Público contra o auditor, acusado de ser parcial no julgamento. Por esse motivo, o conselheiro substituto entende que o colega não poderia julgar o pedido movido por ele contra o membro ministerial.

Enquanto os incidentes processuais vão crescendo em número, o julgamento do mérito da questão fica prejudicado. Isso porque o Tribunal de Contas vai decidir sobre a possibilidade ou não da contratação de empresa de consultoria para atuar na recuperação de créditos tributários. O MPC é contrário a esse tipo de contratação por entender que a atividade é típica de servidor público. Já Marco Antônio votou favoravelmente a esse tipo de acordo.  No entanto, o órgão ministerial alega que uma das partes é acusada de beneficiar o auditor da Corte.

No incidente de suspeição, o MPC cita uma ação do Ministério Público Estadual (MPES) contra o ex-prefeito de Aracruz, Luiz Carlos Cacá Gonçalves, acusado de beneficiar Marco Antônio com o suposto pagamento indevido de precatórios de R$ 243 mil. Para o MPC, uma decisão favorável à legalidade da contratação da CMS Consultoria e Serviços Ltda, como defende o voto-vista do conselheiro-substituto, beneficiaria o ex-prefeito.

Na ação principal, o MP de Contas é contra a contratação de consultorias ou assessorias por prefeituras para atuar na recuperação de créditos tributários. No parecer-vista, o órgão ministerial também sugeriu a suspensão do processo para a realização de audiência pública a fim de discutir mais amplamente o assunto com a sociedade. Até o momento, dois votos foram proferidos no julgamento, sendo que o relator, conselheiro Carlos Ranna, seguiu o entendimento da área técnica e do MP pela impossibilidade de contratação.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
Geraldo Hasse
Cuba, Congo e Bolívia
Em livro extraordinário, o jornalista Flávio Tavares exuma o cadáver do mito Che Guevara
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Prefeitura vende o Saldanha da Gama para a Fecomércio

Amaro Neto fica no Solidariedade e confirma disputa ao Senado

Cuba, Congo e Bolívia

Comunidade vence Hartung: abertas matriculas no ensino médio noturno

O último adeus do Adiós, Me Voy