Seculo

 

Conselho de Ética decide caso Colnago na próxima quarta-feira


11/10/2017 às 17:33
O Conselho de Ética do Estado decide na próxima quarta-feira (18) se César Colnago poderá ou não acumular a vice-governadoria e a presidência estadual do partido. A questão levantada pelo PSDB foi debatida na reunião do conselho desta quarta-feira (11) e distribuída para a conselheira Flávia Marquezine, que apresentará um relatório sobre o caso na próxima semana.
A reunião extraordinária da próxima quarta foi deliberada a partir do pedido de antecipação da decisão para antes da eleição do partido, que será no dia 11 de novembro. O pedido, protocolado nessa terça-feira (10), foi feito pelo ex-diretor das Centrais de Abastecimento do Estado (Ceasa), José Carlos Buffon. 
 
A consulta tem relação com a existência ou não de conflito ético no exercício concomitante das funções de agente político nos mandatos de governador, vice-governador, prefeito e vice-prefeito, com as funções de dirigente de partido pelo qual tenha sido eleito, tendo em vista não haver orientação expressa acerca dessa possibilidade. 
 
No código de ética dos servidores do Estado, está expresso que os membros da equipe do primeiro escalão não poderiam ocupar os cargos de presidente de partido. No caso de secretários, a situação tem sido respeitada no Estado, desde o advento do código de ética em 2008.
 
Recentemente o então secretário de Desenvolvimento do Estado João Coser deixou a direção do PT capixaba para assumir a pasta. Para disputar a eleição para a presidência do partido, no início do ano, ele deixou o cargo. Seu substituto na Secretaria, Rodney Miranda, também foi obrigado a se afastar da presidência do DEM para assumir a pasta. 
 
O grupo de Colnago defende que o caso não se aplicaria ao cargo de vice-governador, já que não estaria expresso no Código, além disso, alega que a vice-governadoria não é ordenadora de despesa. Mas não é bem assim. Atualmente a Vice-Governadoria coordena as áreas de Dependência Química, Relações com Conselhos e Primeira Infância, que têm orçamentos e despesas, sob a responsabilidade do vice-governador. 
 
Além disso, o conselho de ética, em outro momento, já se manifestou contrário à permanência de vice na presidência de partido. Em 2011, o conselho deliberou sobre a questão do então vice-governador Givaldo Vieira que, à época, era presidente estadual do PT e opinou pela incompatibilidade das funções. 
 
Mas para parte do tucanato, o principal precedente vem do próprio Colnago, que estava à frente do partido antes de assumir a vice-governadoria em 2015. Uma vez eleito, entendeu a incompatibilidade das funções e deixou a presidência do PSDB.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena