Seculo

 

PT capixaba quer organizar o partido para eleições de 2018


11/10/2017 às 19:58
Superados os problemas internos da eleição que reconduziu João Coser ao comando do PT capixaba, o partido começa a se preparar para o processo eleitoral do próximo ano. Coser, acompanhado do ex-vereador de Vitória Reinaldo Bolão, tem rodado o Estado para conversar com as lideranças políticas em dezenas de municípios. 
 
A ideia é organizar o partido para formar chapas para a disputa do próximo ano. O partido tem aproveitado a onda de otimismo entre os petistas com o resultado da pesquisa DataFolha, publicada no início do mês, um ano antes das eleições de 2018. Na pesquisa, o ex-presidente Lula mantém a liderança na corrida presidencial sobre os principais adversários. O petista obteve 36% ou 35% das intenções de voto, dependendo do cenário. 
 
Embora o quadro de rejeição seja alto, a liderança nas pesquisas anima o partido a retomar projetos eleitorais depois do desgaste trazido pelas denúncias da Lava Jato. No Espírito Santo, o efeito foi devastador. O partido elegeu apenas um prefeito: Alencar Marim, em Barra de São Francisco, no noroeste do Estado. 
 
Nacionalmente, a percepção é que em 16 estados o PT deve abrir mão de uma candidatura ao governo em favor de alianças que possam favorecer o palanque nacional. No Estado, o partido não tem apresentado uma alternativa ao Palácio Anchieta e também não tem nomes para uma disputa forte ao Senado que possa sustentar um palanque nacional. 
 
Neste sentido, deve investir nas coligações. A questão é que uma vez fora da base do governo Paulo Hartung, o partido não teria mais como se alinhar ao grupo do governador, que caminha em direção ao DEM e ao PSDB, siglas vetadas na composição com o PT. Será o caso de procurar um caminho no palanque que se ergue em oposição à reeleição de Paulo Hartung. 
 
Até aqui se desenha uma união de forças entre a senadora Rose de Freitas (PMDB) e o ex-governador Renato Casagrande (PSB), que já teve o petista Givaldo Vieira como vice em seu governo. A questão é que nacionalmente o PT está fora das alternativas do PSB, mas como Casagrande é o secretário nacional do partido e tem boa relação com o PT capixaba, uma aliança não estaria fora de cogitação. Quanto ao PMDB de Rose de Freitas, o partido analisa até a possibilidade de união em alguns estados com o partido que foi o grande algoz da ex-presidente Dilma Rousseff.
 
Outra possibilidade forte do PT é repetir a aliança com o PDT, que foi frutífera para as duas siglas em 2014, na disputa proporcional. O PDT tem como presidenciável o ex-ministro Ciro Gomes, mas o partido está aberto a conversas com outros partidos, sobretudo, o PSB de Casagrande.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio