Seculo

 

PT capixaba quer organizar o partido para eleições de 2018


11/10/2017 às 19:58
Superados os problemas internos da eleição que reconduziu João Coser ao comando do PT capixaba, o partido começa a se preparar para o processo eleitoral do próximo ano. Coser, acompanhado do ex-vereador de Vitória Reinaldo Bolão, tem rodado o Estado para conversar com as lideranças políticas em dezenas de municípios. 
 
A ideia é organizar o partido para formar chapas para a disputa do próximo ano. O partido tem aproveitado a onda de otimismo entre os petistas com o resultado da pesquisa DataFolha, publicada no início do mês, um ano antes das eleições de 2018. Na pesquisa, o ex-presidente Lula mantém a liderança na corrida presidencial sobre os principais adversários. O petista obteve 36% ou 35% das intenções de voto, dependendo do cenário. 
 
Embora o quadro de rejeição seja alto, a liderança nas pesquisas anima o partido a retomar projetos eleitorais depois do desgaste trazido pelas denúncias da Lava Jato. No Espírito Santo, o efeito foi devastador. O partido elegeu apenas um prefeito: Alencar Marim, em Barra de São Francisco, no noroeste do Estado. 
 
Nacionalmente, a percepção é que em 16 estados o PT deve abrir mão de uma candidatura ao governo em favor de alianças que possam favorecer o palanque nacional. No Estado, o partido não tem apresentado uma alternativa ao Palácio Anchieta e também não tem nomes para uma disputa forte ao Senado que possa sustentar um palanque nacional. 
 
Neste sentido, deve investir nas coligações. A questão é que uma vez fora da base do governo Paulo Hartung, o partido não teria mais como se alinhar ao grupo do governador, que caminha em direção ao DEM e ao PSDB, siglas vetadas na composição com o PT. Será o caso de procurar um caminho no palanque que se ergue em oposição à reeleição de Paulo Hartung. 
 
Até aqui se desenha uma união de forças entre a senadora Rose de Freitas (PMDB) e o ex-governador Renato Casagrande (PSB), que já teve o petista Givaldo Vieira como vice em seu governo. A questão é que nacionalmente o PT está fora das alternativas do PSB, mas como Casagrande é o secretário nacional do partido e tem boa relação com o PT capixaba, uma aliança não estaria fora de cogitação. Quanto ao PMDB de Rose de Freitas, o partido analisa até a possibilidade de união em alguns estados com o partido que foi o grande algoz da ex-presidente Dilma Rousseff.
 
Outra possibilidade forte do PT é repetir a aliança com o PDT, que foi frutífera para as duas siglas em 2014, na disputa proporcional. O PDT tem como presidenciável o ex-ministro Ciro Gomes, mas o partido está aberto a conversas com outros partidos, sobretudo, o PSB de Casagrande.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
Geraldo Hasse
Cuba, Congo e Bolívia
Em livro extraordinário, o jornalista Flávio Tavares exuma o cadáver do mito Che Guevara
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Prefeitura vende o Saldanha da Gama para a Fecomércio

Amaro Neto fica no Solidariedade e confirma disputa ao Senado

Comunidade vence Hartung: abertas matriculas no ensino médio noturno

Cuba, Congo e Bolívia

O último adeus do Adiós, Me Voy