Seculo

 

Sindicalismo unilateral


17/10/2017 às 11:54
A ideia do sindicato é de que as categorias possam ter uma representação dos trabalhadores na mesa de negociação com as empresas e o Poder Público. Essa representação, porém, deve ter a participação e a aprovação dos trabalhadores. Cada pauta deve ser debatida e as decisões devem ser tomadas de forma mais democrática possível. Mas não é bem isso que se vê na dinâmica dos sindicatos ultimamente. 
 
E a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que deveria cuidar para que a democracia fosse sempre garantida, essa democracia parece fazer cada vez mais vista grossa para todas as formas de burla à democracia nos movimentos sindicais. 
 
O que se vê hoje em dia são decisões unilaterais tomadas em negociações de empresários e dirigentes sindicais, sem que se considere o debate com a categoria sobre o melhor caminho de se levar as negociações. Tá faltando democracia onde ela deveria ter seu fortalecimento. 
 
Foi justamente esse comportamento dos dirigentes sindicais e esse faz de conta da CUT que levou a classe trabalhadora a essa posição extremamente desfavorável que se encontra hoje, com um governo empenhado em facilitar o caminho para a perda de garantias da classe política. O governo facilita e o capital nada de braçada. A omissão e a falta de compromisso dos sindicatos, nesse sentido, transformam o movimento em mais direita que a própria direita. 
 
Foi por causa dessa omissão, que a direita tem tomado o comando do País e achatado ainda mais a classe trabalhadora. Isso tem muita relação com o processo eleitoral e a crise de representatividade do trabalhador brasileiro. Sem a ampliação do debate democrático desde a menor das associações, dificilmente, a classe trabalhadora vai conseguir virar o jogo e conseguir uma representatividade na política institucional. 
 
Por isso, a Central precisa começar do zero, reiniciando o processo de construção política-democrática dentro dos movimentos sociais. A criação de conselhos com a participação dos trabalhadores, que tenham punho para consertar a casa. E não só nos ambientes sindicais, mas em toda a sociedade, como foi proposto no governo Dilma Rousseff e o Congresso não aceitou. 
 
Ou a própria sociedade força o caminho para uma democracia, ou vai viver à mercê das decisões monocráticas, que quase nunca guardam alguma identidade com as necessidades da população. 
 
União, já!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio