Seculo

 

Última chance


24/10/2017 às 18:13
O senador Paulo Paim (PT-RS) está puxando um seminário nacional sobre a possibilidade da criação de um estatuto de substituição da Consolidação das Leis Trabalhista (CLT), que teve um triste fim nas mãos do governo Michel Temer, com a ajuda do Congresso Nacional. Aliás, é para isso que serviu o golpe. 
 
É uma iniciativa interessante, porque a CLT trouxe muitas garantias, mas era uma copia da Carta del Lavoro - um documento de 1927, em que o Partido Nacional Fascista de Benito Mussolini apresentou as linhas de orientação que deveriam guiar as relações de trabalho na sociedade.
 
No Brasil as linhas gerais da Carta foram adotadas na criação da CLT porque o Partido Comunista se recusava discutir com Getúlio Vargas, já que não negociava com militar. Essa falta de diálogo gerou leis trabalhistas, que levaram Getúlio a ser chamado de o pai dos pobres, mas que na verdade era também a mãe dos ricos. 
 
Mas como nada é tão ruim que não possa piorar, a “reforma” de Temer, que teve participação importante do senador Ricardo Ferraço (PSDB), que foi seu relator, acabou tirando o pouco de direitos que ao longo dos anos, o Movimento Sindical conseguiu conquistar trabalhando com mexidas na CLT. 
 
Esse desgaste causado pela “reforma”, abre um espaço de discussão que pode permitir uma reflexão. Mas o movimento sindical não pode deixar que Paim discuta isso sozinho ou com seus pares apenas. Precisa se apresentar para o debate, fazer sugestões, pressões e tentar emplacar nesse processo a visão do trabalhador de uma nova legislação a partir do fim da CLT, que não beneficie apenas o capital. 
 
Esta pode ser a última chance de o movimento sindical tentar manter ou ampliar algumas garantias para o trabalhador brasileiro, diante de um duro golpe sofrido no Congresso e no Palácio do Planalto, financiado pelo empresariado. 
 
Paim quer apresentar a primeira versão desse novo estatuto em 1º de maio de 2018, mas sabe que será difícil aprova-lo antes de 2019. Isso não significa que o Movimento Sindical tenha tempo para empurrar propostas com a barriga. É preciso entrar já no debate, antes que o espaço se feche. 
 
É agora ou nunca!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização