Seculo

 

Conselho escorregou na ética


24/10/2017 às 23:12
Ao definir como meta a conquista do comando estadual do PSDB, César Colnago passou a enfrentar resistências dentro e fora do partido. Internamente, o vice-governador tem a missão de convencer os colegas tucanos que o associam a um vassalo do governador Paulo Hartung (PMDB). Essa ala defende que o partido mantenha certa distância do Palácio Anchieta. Esses tucanos entendem que o prefeito de Vila Velha Max Filho teria o perfil desejável para tornar o PSDB mais independente para empreender uma estratégia política próprio em 2018 e não um apêndice do projeto do governador. 
 
Se internamente o desafio continua sendo grande para Colnago, fora, ele precisava, primeiramente, da liberação do Conselho de Ética do Estado para se viabilizar como candidato. A consulta ao Conselho esclareceria se o tucano poderia acumular as funções de vice-governador e presidente estadual da legenda.
 
É a partir dessa consulta que o Conselho de Ética começou a patinar, justamente, na ética. Primeiro, houve uma pressão dos apoiadores de Colnago para que o Conselho apreciasse a demanda antes do dia 11 de novembro, data prevista para a escolha do novo diretório estadual do PSDB. Ante a pressão, o Conselho aceitou antecipar a consulta. Mesmo porque, a indefinição, naturalmente, reduziria as chances de Colnago. 
 
Até aí, tudo bem. As vulnerabilidades do Conselho ficaram evidentes na consulta em si. Na primeira reunião para deliberar sobre o caso Colnago, estranhamente, não houve decisão. Nos bastidores circulou a informação de que, ante o voto da relatora Flávia Marquezini, desfavorável a Colnago, a conselheira Maria Ivonete Bezerra de Sá Thiebault pediu vista. O pedido foi interpretado como uma manobra desesperada para evitar a derrota iminente de Colnago. Naquele momento, os conselheiros Carlos Salomão Pereira Silva e Elizabeth Mario Klippel Amâncio Pereira votariam com a relatora. A favor de Colnago, só estaria Maria Ivonete, já que o presidente, Jovacy Peter Filho, só votaria em caso de empate. O conselheiro Edebrande Cavalieri estava fora do Estado, a trabalho, mas enviara o voto por escrito, também entendendo que havia conflito entre as funções de vice e presidente partidário. 
 
Em nova reunião, na última sexta (20), o Conselho faria uma votação na contramão da ética. Maria Ivonete, que é subsecretária de Estado de Interlocução Institucional da Secretaria de Governo, manteve o voto a favor de Colnago. Elizabeth Klippel, que estava inclinada a votar com a relatora, decidiu mudar seu voto. Só para registro, a conselheira é auditora de Controle Externo no Tribunal de Contas do Estado (TCE-ES). 
 
O presidente do Conselho, sem consultar os demais conselheiros e tampouco justificar sua decisão, decidiu, da sua cabeça, que não consideraria o voto por escrito de Cavalieri. A decisão de Jovacy mudou completamente o resultado da votação. Marquezini e Salomão mantiveram o entendimento de que havia conflito. De outro lado, Maria Ivonete e Elizabeth Klippel defenderam que não havia óbice em Colnago acumular as funções. Com o empate, depois de descartar o voto de Cavalieri, Jovacy deu o voto de minerva, desempatando a contenda a favor do vice-governador. 
 
A falta de ética do Conselho chamou a atenção da Transparência Capixaba. Por meio de um manifesto, a entidade aponta que houve “conflitos e atropelos que macularam a decisão”. A entidade está coberta de razão. O Conselho escorregou na ética. Ante as distorções. a Transparência pede que o Conselho reavalie o caso Colnago.
 
O PSDB e Colnago não podem ser responsabilizados pela maneira como o Conselho conduziu a consulta e tomou a decisão favorável ao vice. Como afirmou o presidente estadual da sigla, Jarbas de Assis, quem tem de explicar a decisão é o Conselho e não o partido.
 
O encaminhamento do caso, porém, permite supor que o Conselho de Ética sofreu ingerência do Palácio Anchieta. Não é segredo para ninguém que o governador Paulo Hartung quer Colnago no comando do partido. A decisão pouco transparente sugere que o Conselho deixou a ética de lado para analisar o caso sob o viés da política. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Empresários já pressionam Câmara de Vitória por 'ajustes'