Seculo

 

A mentira da reforma


31/10/2017 às 12:15
Com base na famigerada reforma trabalhista, já tem rede contratando funcionário para o tal trabalho intermitente, com salário de R$ 4,45 por hora trabalhada. Pouco mais de US$ 1. Para o governo federal, essa é uma ótima notícia. Insiste em uma narrativa de que a reforma vai ajudar o pobre porque vai permitir que o trabalhador negocie com o patrão seu horário de trabalho. 
 
Em meio a essa construção de narrativa, muito contribuiu o senador Ricardo Ferraço (PSDB), que foi relator da matéria. Ele afirmou à época para defender essa jornada intermitente, que nos Estados Unidos já é assim há muito tempo. 
 
O senador só se esqueceu de dizer que esse trabalho não é para americanos. É para os latinos que vão para aquele país em busca de condições de vida e são obrigados a aceitar subempregos para se manter no País. São quase como escravos. O valor da hora paga, mesmo assim, é bem acima da que está sendo oferecida aos brasileiros.
 
Embora o ministro da Fazenda Henrique Meirelles negue, está em plena campanha eleitoral para a Presidência da República, vem defendo agora a reforma da Previdência. Ele, aliás, se reuniu no Estado com o governador Paulo Hartung (PMDB) na última sexta-feira (27). Os dois falaram sobre o momento econômico do País a empresários, em Pedra Azul, região serrana no Estado.
 
Meirelles defende que a Reforma da Previdência vai fazer com que o governo federal consiga diminuir os juros, atraindo mais investidores e aumentando assim os empregos. Balela! O que o governo federal, que chegou até a assinar portaria flexibilizando o trabalho escravo quer justamente esmagar a classe trabalhadora e fazer o Brasil voltar umas três décadas nas conquistas da classe trabalhadora. 
 
Tudo isso só está acontecendo porque o trabalhador perdeu sua representação de classe. Os dirigentes sindicais se esqueceram de suas funções, estão preocupados em se manter à frente de suas entidades, com um pequeno poder de barganha com as empresas abandonaram a luta de classe, a mobilização e a formação política. Deixaram o trabalhador ao deus-dará e vão pagar o preço por isso, mais cedo ou mais tarde. 
 
Escravidão, não!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização