Seculo

 

Outra matemática


07/11/2017 às 11:07
O prefeito de Vila Velha Max Filho (PSDB) faz reunião com lideranças nesta terça-feira (7) em seu tradicional reduto político, o dispensário São Judas Tadeu, na Prainha.. Já o vice-governador César Colnago tirou “férias” para se dedicar mais intensamente à campanha. As duas lideranças estão dedicadas de corpo e alma à disputa pelo comando do PSDB. Nesta reta final, todo mundo faz uma série de contas para saber quem tem mais votos dos delegados para a votação deste sábado (11). 
 
As contas são importantes para cada um dos candidatos construir seu mapa eleitoral e saber onde precisa depositar mais energia. Max Filho, de acordo com as contas de alguns de seus apoiadores, teria 32 dos 40 delegados de Vila Velha; e 28 dos 35 de Vitória. Colnago, por sua vez, teria a maioria dos delegados de Cariacica e Serra, que não são muitos, mas somados aos votos de varejo do interior, representam um montante considerável. Mas tudo isso são apenas projeções. 
 
Não é a primeira vez que a coluna faz um paralelo entre as divisões internas do PSDB e as do PT capixaba, sempre balizadas pelo apoio ou não ao governador Paulo Hartung (PMDB). Se a tendência for mantida, a história recente da eleição do grande adversário do ninho tucano mostra que contas não adiantam muito nessas horas.
 
Às vésperas da eleição do PT em maio passado, o deputado federal Givaldo Vieira tinha na ponta do lápis o número de delegados que apoiariam sua candidatura. Tinha uma sobra, segundo as contas de sua chapa, de três votos. Mas na hora H as urnas mostraram outra realidade: quem venceu a disputa interna, de “virada”, foi o ex-prefeito de Vitória João Coser. 
 
Esta não é uma ciência exata, muita coisa está em jogo e o jogo, às vezes, é pesado. A movimentação interna, a boca de urna e as pressões dos dois lados tornam o resultado da disputa imprevisível e as consequências inevitáveis. Se Colnago ganhar, o partido fica na base de Hartung e provavelmente vai caminhar com ele na eleição do próximo ano, encarando o descontentamento de parte dos tucanos, que consideram que o partido contabilizou mais perdas do que ganhos nesta aliança com Paulo Hartung. 
 
Se Max Filho vencer, a pressão interna será pelo afastamento do partido do palanque do governador, que comprometeria os planos de Hartung de se filiar ao PSDB. Também fica prejudicado um possível arranjo com Colnago à frente de um palanque ao governo, apoiado por Hartung, caso o governador decida se lançar em uma aventura nacional. 
 
Neste cenário, o desafio do próximo presidente do partido, independentemente de quem vencer, vai ser apaziguar os ânimos internos e construir uma unidade. 
 
Coser, no PT, diz que agora está tudo bem, depois que a nacional determinou a divisão igualitária dos cargos no partido. Mas, pelo jeito, está tudo bem só para Coser. Givaldo e seu grupo, que ainda não digeriram a disputa pelo comando do partido, continuam insatisfeitos. 
 
Fragmentos:
 
1 – O governador de São Paulo Geraldo Alckmin desistiu da disputa à presidência do PSDB e agora tenta agir como uma espécie de Ricardo Ferraço para tentar o consenso entre o governador de Goiás, Marconi Perillo, e o senador Tasso Jereissati, presidente interino da legenda, que quer se manter à frente do PSDB nacional.
 
2 – Na corrida à eventual vaga de Valci Ferreira no Tribunal de Contas estão o presidente da Comissão de Finanças da Assembleia, Dary Pagung (PRP), o líder do governo, Rodrigo Coelho (PDT), o presidente da Mesa Diretora, Erick Musso e o vice-presidente do Legislativo Marcelo Santos. Entre os dois peemedebistas, as apostas apontam para Santos. 
 
3 – Caso a vaga seja mesmo aberta no TCE, a Transparência Capixaba deve se movimentar novamente com projeto conselheiro cidadão. Na última vaga aberta, houve até audiências públicas e sabatinas na Assembleia com os candidatos da sociedade civil, mas, no final, a vaga acabou ficando com o deputado Sérgio Borges.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização