Seculo

 

A hora é agora


08/11/2017 às 12:32
Enquanto aguarda acomodação das forças políticas no campo nacional, o governador Paulo Hartung (PMDB) observa o cenário estadual, com a segurança de quem não tem oposição em campo aberto para confrontá-lo, mas entende que não poderá ficar na zona de conforto. 
 
A eleição interna do PSDB, com uma polarização entre governistas e não alinhados ao Palácio Anchieta, é uma mostra que os tempos são outros. Se antes o governador definia quem seria o presidente um partido, como a sigla deveria se comportar na eleição ou quem seriam seus candidatos e com quais aliados disputaria, hoje já não é assim. O desgaste do governador tem sido maior a cada tentativa de manobra. 
 
Aliás, não só as disputas partidárias no Espírito Santo colocam as lideranças políticas nessa situação. A distensão do PSDB nacional — com a pressão para que o partido deixe o governo Michel Temer e uma disputa para o comando da sigla — mostra o desafio da governança. Por aqui, os incêndios são mais contidos, mas, ainda assim, causam estragos. 
 
Hartung não conta mais com a unanimidade de tempos anteriores. Na Assembleia, as vozes de oposição ainda são poucas, mas as insatisfações são muitas. A relação com a bancada capixaba é ainda pior. Até mesmo os prefeitos que antes idolatravam o governador, hoje dividem suas atenções com a senadora Rose de Freitas (PMDB), que tem sido muito mais efetiva na aquisição dos preciosos recursos para os municípios. 
 
Neste sentido, embora seus movimentos internos apontem para a disputa à reeleição para um fatídico quarto mandato, o momento sugere que Hartung deve tentar a aventura nacional. A estratégia palaciana seria a de montar o colchão neste terceiro mandato para abrir mão nos próximos quatro anos, mas não se sabe como Hartung chegará neste novo mandato e a movimentação de substituição dos quadros que o cercam causa problemas com os antigos aliados. 
 
Como criou a narrativa da excelência, o governador aposta em uma articulação com o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia e observa as possibilidades com o PSDB. Se isso falhar, ficariam poucas alternativas para essa composição nacional, mas pode conseguir alguma acomodação ainda. 
 
Restará resolver o problema local. Nesses três anos Hartung não preparou um sucessor, mas conta com a lealdade até aqui do seu vice-governador César Colnago. A questão é se ele teria capilaridade para comandar um palanque, podendo ter de enfrentar um grupo de oposição, que sem Hartung na reta, cresce com Rose de Freitas e/ou Renato Casagrande. E aí o governador pode ter de enfrentar a reeleição para proteger seu grupo. 
 
Fragmentos:
 
1 – Um dos discursos nacionais do governador Paulo Hartung faz água no momento em que o presidente Michel Temer admite não ter mais condições de votar a reforma previdenciária. Hartung vem defendendo a medida como uma forma de impulsionar a economia, mas a impopularidade da matéria impede que o Congresso a vote.
 
2 – A redação do Enem deu uma inflada na bandeira do deputado Hércules Silveira sobre a busca de melhorias na qualidade de vida dos surdos. O deputado defende, por exemplo, a facilitação da população ao acesso ao implante coclear.
 
3 – No expediente desta quarta-feira (8), o deputado indica a presidente da Associação de pais e amigos dos surdos e outras deficiências (APASOD), Lourdilene Mozer para fazer o uso da Tribuna Popular na sessão ordinária do dia 4 de dezembro de 2017, para falar sobre os problemas enfrentados pelos pacientes do setor de Tratamento de Fora de Domicilio (TFD) da Secretaria de Estado da Saúde.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio