Seculo

 

Supremo Tribunal Federal retoma marco temporal contra a luta quilombola


10/11/2017 às 17:20
O ministro Dias Toffoli reconheceu a tese do Marco Temporal ao pronunciar seu voto na sessão dessa quinta-feira (9) em que o Supremo Tribunal Federal (STF) retomou a votação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 3239/204, impetrada pelo Partido Democratas (DEM) para questionar o Decreto nº 4887/2003, que regulamenta a titulação de terras quilombolas no Brasil.

Após discorrer durante duas horas sobre suas argumentações, anunciou julgar parcialmente procedente a Adi, reconheceu o Marco Temporal de cinco de outubro de 1988 – data da promulgação da Constituição Federal Brasileira –, inverteu o ônus da prova e ainda reduziu o entendimento de território quilombola em vigor, limitando-o à área ocupada pelas casas e quintais, excluindo todos os espaços coletivos.

“Foi pior do que o voto da Rosa Weber”, observa Oriel Rodrigues de Moraes, advogado da Confederação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), citando a ministra que votou contrariamente à Adi do DEM, mas também mencionou o Marco Temporal.

“O espaço de vida de quilombos não é isso, é um espaço de reprodução de vida, então tem o espaço místico, o espaços da rezas, o espaço dos cultos, o espaço das ervas ... a gente tem uma vivência com a natureza que é muito grande. Dependemos dela e é um espaço de vida, a natureza também é parte da nossa vida. Restringir o território ao espaço que está ocupando naquele momento, é muito grave”, explica o advogado.

A inversão do ônus da prova também foi destacada por Oriel. “Para nós é muito difícil provar. Sabemos que o nosso povo ficou invisível muito tempo e essa invisibilidade fez com que as pessoas não conseguissem entrar na Justiça e exigir seus direitos. Nós fomos desapropriados, teve expulsão, mesmo, muita violência no campo, que não foi relatado até hoje. Por isso é muito perigoso esse voto, que inverte o ônus da prova”, alerta Oriel.

Após o voto de Dias Toffoli – que por duas vezes seguidas, desde o dia 16 de agosto, fez a votação ser adiada no STF –, o ministro Edson Fachin pediu vista do processo e a votação foi encerrada. O novo adiamento é visto positivamente pela Conaq. “Ganhamos mais tempo para conseguir reverter esse voto. Esperamos que o Fachin reverta de forma positiva para os quilombolas”, reflete Oriel.

As lideranças quilombolas continuam reunidas em Brasília, estudando formas de fortalecer a mobilização em favor da manutenção do Decreto 4887/2003 e da derrubada da Adi 3239/2204.  Na internet, também continua aberta a petição da Conaq contra a ADI, acessível no site do Instituto Socioambiental (Isa)

A terra não tem cor

O decreto, publicado quinze anos após a promulgação da Constituição Federal, inaugurou uma base jurídica consistente para garantir o direito à terra, historicamente negado no país, a essas populações tradicionais. Mesmo após sua publicação, no entanto, a maioria dos territórios quilombolas existentes no Brasil ainda não foram reconhecidos. No Espírito Santo, das mais de trinta comunidades, apenas uma foi titularizada, recentemente, em Ibiraçu, norte do Estado.

A anulação do decreto, portanto, certamente tornaria a luta quilombola por seus territórios ainda mais difícil e as comunidades ainda mais fragilizadas diante da Justiça e da lei. “Pode representar um retrocesso de séculos”, alerta a educadora Daniela Meireles, da Federação dos Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase), uma das ONGs mais ativas na defesa dos direitos dos quilombolas e outros povos tradicionais do país, inclusive no Espírito Santo.

Um retrocesso, complementa a educadora, não só para as populações negras descendentes dos quilombos, mas para toda a sociedade. “Esse processo de ADI pelo DEM corrobora com essa tese de que a terra é para brancos e grandes produtores do agronegócio, que serve apenas para parte da sociedade e não toda a sociedade. Isso é uma declaração de que a terra tem cor. E a cor que o DEM defende é a cor branca”, protesta.

Se o decreto cair, explica, o STF estará assegurando o racismo institucionalizado no país. “Perdemos todos com isso. A sociedade como um todo, que tem lutado de diversas formas para que esse racismo colonial seja rompido de uma vez por todas”, diz. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio