Seculo

 

Noiva, mas não casa


10/11/2017 às 19:30
Dia desses, o próprio governador Paulo Hartung (PMDB) admitiu que a Constituição deveria ter proibido, há muito tempo, que um agente público exerça três mandatos executivos. Caso dele, aliás. Ele não revela, porém, que enfrenta a síndrome do terceiro mandato, com queda de popularidade é consequente desgaste de imagem. 
 
E convenhamos que Hartung se preparou para o revés iminente. Investiu pesado em uma boa assessoria, que construiu uma estratégia para fora do Estado. Desde o primeiro dia de mandato, Hartung trabalhou para se notabilizar como o governador que não dá o passo maior que a perna. Impôs cortes lineares em todas as áreas, criando as condições para uma política de ajuste fiscal severa. 
 
A ideia era mostrar para o resto do País que no Espírito Santo havia um governador responsável com as contas públicas, que estava enfrentando e vencendo a crise. Para justificar os cortes nos investimentos, a paralisação das obras e negar reajustes salariais aos servidores, o governador sugeria que os capixabas olhassem para o exemplo do Rio de Janeiro. 
 
Precisando se apegar a um exemplo palpável para justificar sua política de austeridade, o governador passou a tripudiar do vizinho, com a ameaça na ponta da língua: “Vocês estão vendo o que estão acontecendo com o Rio?” 
 
O bom trabalho da assessoria rapidamente fez Hartung cair nas graças de seleto grupo de economistas com influência no mercado. Em pouco tempo, Hartung tornou-se “queridinho” dessa turma, que passou a recomendar que os outros governadores se espelhassem no exemplo do colega capixaba. O trabalho de assessoria foi tão eficiente que Paulo Hartung passou a ser lembrado em quase todas as especulações da grande imprensa quando a pauta era sucessão presidencial. 
 
No início de 2016, quando Temer começava a definir os nomes de sua equipe de governo, Hartung foi cotado para assumir a Fazenda. Trazia no currículo a recém implantada política de ajuste fiscal capixaba. Hartung acabou sendo preterido, mas viu sua titular da Fazenda, Ana Paula Vescovi, assumir o Tesouro Nacional. De alguma maneira, se sentiu coroado com a nomeação da economista. 
 
O episódio lustrou a imagem de Hartung, que passou a ser ouvido com frequencia pela mídia nacional em pautas relacionadas à economia. Virou figura carimbada no Valor — umas das publicações mais conceituadas em economia do País. 
 
Este ano, com a proximidade do período eleitoral, Hartung passou a se movimentar de maneira mais propositiva na cena nacional, especialmente quando as pautas especulam nomes para a sucessão de Temer. Já foi cotado para vice numa eventual chapa a presidente do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, que o incluiu, não se sabe por que cargas d’água, ao lado de José Bonifácio e Getúlio Vargas, fechando a lista dos três homens públicos que mais admirava. 
 
A possível chapa não passou do oba-oba do noticiário. Quando o assunto foi perdendo força, a assessoria de Hartung usou estrategicamente a aproximação entre o governador capixaba e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que estava conduzindo a votação da denúncia contra Temer. Na ocasião, com o risco iminente de Temer cair, o nome de Maia ficou em evidência e Hartung "colou" no presidente da Câmara que, naquele momento em que Maia podia até assumir o comando do País.
 
Depois desse namoro com Maia, Hartung também flertou com João Doria (PSDB), ao intuir que o prefeito de São Paulo poderia tomar do governador Geraldo Alckmin a primazia de disputar a Presidência da República em 2018. O governador capixaba não parou em Doria, ainda investiu, recentemente, no ministro da Fazenda Henrique Meirelles (PSD). Nas conversas, Hartung quis deixar no ar que poderia ocupar a vice numa eventual chapa de Meirelles a presidente.
 
Sem contar que em meio às especulações para compor chapas presidências, Hartung explorou a ideia, no mínimo absurda, de ser cogitado para governar o Rio de Janeiro. A notícia plantada na coluna de Lauro Jardim (O Globo) forçou demais a barra, e acabou virando motivo de chacota nos meios políticos.
 
A notícia do momento põe Hartung agora numa nova chapa. Desta vez ao lado do apresentador de TV Luciano Huck. Na conversa dessa quinta-feira (9), mediada pelo ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga — espécie de articulador da “nova” carreira política nacional de Hartung —, o global teria demonstrado interesse em trazer o governador capixaba para seu grupo político, talvez até como vice.
 
É preciso, porém, olhar com cautela para o copo. Pela visão “plantada” na mídia por Hartung, ele se coloca como um vice dos sonhos de qualquer candidato. Pensou em ser candidato? Chama o Hartung para vice. Daqui a pouco vão dizer que até Lula e Bolsonaro gostariam de ter Hartung como vice. Mas olhando o copo por outro viés, a situação do governador não é tão confortável como ele tenta transmitir. Hartung enfrenta o desgaste do terceiro mandato e sabe que um quarto mandato seria praticamente um suicídio político. Correria o risco de jogar fora seus três mandatos e encerrar a carreira política de maneira melancólica. Ao contrário do que a imprensa pinta, Hartung não tem boas perspectivas para 2018. O plano A, que seria o Senado, parece cada vez mais distante. 
 
Todo esse clima efusivo em torno da “noiva” mais desejada do momento tem mais a ver com o empenho da assessoria de Hartung, que continua conquistando generosos espaços na mídia e trabalhando com perfeição a imagem do ilustre cliente. Mas tirando o glamour da embalagem construída, Hartung está mais para aquela noiva angustiada, prostrada no altar com olhar fixo na porta da igreja se perguntando: por que o noivo ainda não chegou?

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Geraldo Hasse
Caetano dá força a Ciro Gomes
O artista baiano se declara admirador do político cearense candidato a presidente
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio