Seculo

 

A força da CUT


14/11/2017 às 10:37
Desde o sábado (11) começou a vigorar em todo o País a reforma trabalhista aprovada no Congresso Nacional. Entre os itens que chama atenção dessa “reforma” está o fim do imposto sindical. A previsão é de sejam retirados da arrecadação das entidades cerca de R$ 3 bilhões. Evidentemente que os sindicatos maiores têm outras formas de arrecadação, mas os pequenos devem padecer. 
 
Diante deste cenário, se coloca um desafio aos meios sindicais: sobreviver. A ideia de acabar com o imposto é antiga e vem do próprio movimento trabalhador. Mas a forma como é colocada nesta reforma às avessas, impõe ao movimento sindical um grande desafio. O objetivo aqui foi mesmo o de colocar fim nos sindicatos. 
 
Neste contexto, será fundamental o papel da Central Única dos Trabalhadores (CUT). A entidade precisa se preparar para assumir a direção dos trabalhadores no lugar dos sindicatos, garantindo a permanecia da luta em um novo cenário do mercado de trabalho e a mantendo a representatividade das categorias. 
 
A previsão com o fim do imposto é de que mais de três mil sindicatos deixem de existir, por causa do fim do imposto. Como a Central é a entidade que atrai a maior confiabilidade do trabalhador e tem o maior número de trabalhadores representados as atenções se voltam para ela neste novo momento. 
 
Como diz o ditado popular, junta-se a fome com a vontade de comer. Passou da hora de a CUT se posicionar, convocar congresso de trabalhadores para direcionar a luta, orientar as categorias para o embate com o capital, evitando mais perda de direitos. 
 
Também é importante que a CUT se movimente para a criação de um estatuto único para os sindicatos, evitando assim, que o peleguismo prolifere outra vez. Mas o primeiro desafio da CUT já está posto. Em breve o Congresso Nacional deve votar a reforma da previdência e a previsão é de muita briga. 
 
É hora de lutar!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados