Seculo

 

Fadiga de material


16/11/2017 às 23:58
Quando chegou à Câmara dos Deputados, em 1999, Magno Malta descobriu que as CPIs poderiam lhe render visibilidade e, consequentemente, votos. A primeira que presidiu foi a do Narcotráfico. A estratégia parece ter funcionado. Em 2002, Malta de elegeria senador pelo PL com mais de 867 mil votos. O baiano de Macarani manteve a CPI como bandeira eleitoral. Tentou ganhar destaque no Senado com a CPI da Pedofilia. 
 
Novamente de certo. A referência de inimigo número 1 da pedofilia foi revertida em votos na eleição de 2010, lhe garantindo mais oitos anos no Senado, naquela ocasião foi eleito, já pelo PR, com mais de 1,2 milhão de votos. 
 
Mas a missão de assegurar um terceiro mandato consecutivo no Senado não é nada simples, o processo eleitoral vai se afunilando e, no caso de Malta, percebe-se uma fadiga de material. Entretanto, a perspectiva de uma disputa dura em 2018 levou Malta a insistir na fórmula que vem dando resultado nas urnas. Em agosto, o senador propôs a CPI dos Maus-tratos contra Crianças e Adolescentes, uma variação da Pedofilia, mas com o escopo mais amplo.
 
O colegiado, explicou o presidente à ocasião do lançamento, se proporia a investigar casos relacionados à violência contra crianças, sejam eles crimes de abuso sexual, trabalho escravo ou outros crimes cometidos na internet.
 
Quando propôs a CPI, Magno Malta não imaginava que duas exposições artísticas poderiam lhe dar a tão desejada visibilidade conquistada com as CPIs do Narcotráfico e da Pedofilia. Cerca de um mês depois de instituída a comissão, explodiria a polêmica em torno da exposição Queermuseu, em Porto Alegre. Duas semanas depois, o nu de um artista no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) foi a cereja no bolo do senador, que viu a oportunidade de usar a CPI dos Maus-tratos para assumir o protagonismo nas discussões.
 
A estratégia do senador foi convocar, ou melhor, pedir a condução coercitiva dos envolvidos nas duas exposições. O primeiro na lista de Malta foi o artista do nu do MAM. O circo de Malta foi armado, mas o espetáculo não aconteceu. O ministro de Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, frustrou os planos do senador ao barrar a convocação do artista pela CPI. 
 
Inconformado, na sessão do dia 9 último, Malta decidiu fazer barulho para não deixar sua CPI cair no esquecimento. Montou um novo “espetáculo”. Ele não podia perder mais tempo. Levou ao plenário um acusado de pedofilia. O senador iniciou o tribunal inquisitório impaciente. Perguntou ao preso algemado. “O sr. foi abusado na infância?”. O detento admitiu que sim, mas que não queria falar sobre o assunto. O senador insistiu, queria arrancar o depoimento para apresentar o criminoso como troféu a qualquer custo.  
 
A conduta truculenta de Malta para arrancar, na marra, uma confissão, assustou os membros do colegiado. Eles iniciaram um movimento, ainda velado, pôr fim à CPI de Malta.
 
Os parlamentares já notaram que a CPI é uma obsessão do colega do PR, que faz sentido apenas para ele, que aposta todas as suas fichas na nova CPI que poderá elegê-lo senador pela terceira vez consecutiva. A comissão, porém, está fadada a ser enterrada, sepultando com ela a esperança de Magno Malta de se eleger com mais uma bandeira do oportunismo. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato