Seculo

 

Vara de Auditoria Militar mantém soldado preso


28/11/2017 às 18:41
Nessa segunda-feira (27), na Vara de Auditoria Militar, aconteceu o sumário de acusação do soldado Nero Walker Soares da Silva, com a oitiva das testemunhas arroladas pelo Ministério Público Estadual (MPES). O soldado está preso desde o dia 16 de junho no Quartel do Comando Geral (QCG), em Maruípe, Vitória. O soldado é acusado de fazer postagens no Facebook durante a paralisação da PM, em fevereiro deste ano. As postagens foram consideradas como perturbação da ordem pelo Comando da Polícia Militar.
 
Os advogados do soldado, Valdenir de Andrade Junior, Victor Santos de Abreu e Tadeu Fraga de Andrade, do corpo jurídico da Associação de Cabos e Soldados do Estado (ACS/PMBM-ES), alegam que não estão mais presentes as questões que justificaram a prisão do soldado. A defesa sustenta que não há mais razões para justificar o encarceramento de Nero.
 
O juízo baseou a manutenção da prisão no habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça do Estado – com fundamento para preservar hierarquia e disciplina e justificado pela questão da garantia da ordem pública – quando sequer havia ação judicial. No entanto, neste momento, o inquérito correu e foi concluído, a ação impetrada e as testemunhas foram ouvidas. Portanto, segundo a defesa, não se justifica mais a prisão com base em um habeas corpus cujo objeto já foi superado.
 
A defesa ressalta que a prisão preventiva, que é o caso do soldado, não serve para que o acusado cumpra uma pena, mas, na prática, é o que está acontecendo. Para os advogados, a manutenção da prisão é a antecipação do juízo de valor e, pelo fato de a negativa de soltura do soldado ter se baseado em HC que não encontra mais objeto, a defesa vai ingressar com novo pedido, visto que a situação atual necessita de nova análise.
 
Os advogados contam que o soldado não entende por que ainda permanece preso, visto que, para ele, ocorre o contrário da presunção da inocência. Ele tem emprego, residência física e bons antecedentes, predicados que garantem o recolhimento somente em casos excepcionais. Eles também ponderam que a condenação deve ter caráter pedagógico, mas, no caso de Nero, esse caráter tem sido dado pela preventiva.
 
O presidente da ACS, sargento Renato Martins Conceição, questiona a nova negativa de liberação do soldado. “Por quanto tempo vai ser necessária a garantia da ordem pública? Se existe alguma lógica de garantia, qual é o mal que o Nero está fazendo?”.
 
Ele lembra que o soldado tem apenas 23 anos e está recluso há quase seis meses por expressar opinião. O sargento ressalta que no ordenamento jurídico brasileiro a prisão é medida excepcional e, no caso de Nero, ele acredita que viole direitos humanos. “Ele está afastado da família, dos amigos, do convívio da sociedade, por fazer crítica a políticas de governo”, diz ele, acrescentando que os militares podem votar, mas não podem cobrar políticas de governos o que, para o sargento, não faz sentido. “Nós somos cidadãos completos e a Constituição fala que temos liberdade de nos expressar. Nosso Código Penal Militar é ultrapassado e visa criminalizar a opinião”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados