Seculo

 

Teatro do orçamento


28/11/2017 às 22:47
Com a reputação da classe política em queda livre em véspera de ano eleitoral, a Assembleia Legislativa decidiu adotar medidas que a aproxime do povo. Semana passada, lançou o Procon que funciona nas dependências da Casa com o intuito de oferecer uma ferramenta de cidadania à sociedade. Louvável. Espaços púbicos que facilitam o acesso a direitos são sempre bem-vindos.
 
Se o Procon é uma bola dentro, a postura da Assembleia, no âmago da sua missão, que é legislar para o povo e exercer o papel de fiscal do Poder Executivo, tem deixado a desejar. Nesta quarta-feira (29), os deputados votam uma das matérias mais importantes do ano: a Lei Orçamentária Anual (LOA). Em tese, a Casa deveria analisar cuidadosamente a peça e apontar se os R$ 16,8 bilhões previstos para 2018 estão distribuídos de forma equilibrada.
 
Apesar da importância da peça, a expectativa de Paulo Hartung (PMDB) é de que os parlamentares não mudem uma única vírgula de lugar. O governador, que obrigatoriamente precisa do aval da Casa, quer apenas que os deputados carimbem a LOA de olhos fechados. O recado do governo é mais ou menos o seguinte: “Fiquem fora disso. Do dinheiro, cuido eu”.
 
O governador quer fazer prevalecer a relação de suserania e vassalagem entre o Executivo e o Legislativo. Não precisa explicar quem é quem nessa relação. Mas num parlamento com 30 deputados, nem todos comungam com o governo. É natural que alguns deputados, mesmos os que se dizem governistas, apresentem emendas ao orçamento. Faz parte do jogo político.
 
O deputado Sergio Majeski (PSDB) chamou atenção da sociedade para a importância da LOA e de como o processo está sendo conduzido na Casa. Na sessão dessa segunda-feira (27), o deputado convocou os movimentos sociais, os sindicatos e a sociedade civil de maneira geral para que acompanhem a votação da LOA. 
 
Majeski também criticou a postura do líder do governo na Casa, deputado Rodrigo Coelho (PDT), que estaria coibindo os colegas a não assinarem os destaques dos que não ficaram plenamente satisfeitos com a proposta do governo. O destaque, agravou Majeski, é o último recurso para tentar modificar alguns pontos do orçamento.
 
Para mostrar a importância da LOA, o deputado do PSDB apresentou como exemplo o “contorcionismo” do governo na manipulação das verbas destinadas à educação. Segundo Majeski, o governo contabiliza que investe na educação mais que os 25% previstos pela Constituição Federal. Não revela, porém, que parte desse dinheiro é usada para pagar aposentados e pensionistas, o que é ilegal. Numa só manobra, adverte o deputado, o governo burla os 25% da educação e ainda mascara o rombo na Previdência.
 
Ante o descumprimento das normativas da Secretaria do Tesouro Nacional e do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, o deputado pediu a devolução da peça e denunciou a distorção ao Ministério Público, Tribunal de Contas e Tesouro Nacional e outras autoridades.
 
Apesar da burla patente, a peça foi aprovada à unanimidade pela Comissão de Finanças da Casa. Nesta quarta (29), pelo andar da carruagem, os deputados, como já é tradição, devem carimbar, sem retoques, o projeto do governo. Foi oportuna a fala do deputado Freitas ao dizer que a votação da LOA era um teatro e as audiências públicas para consultar a população sobre o orçamento uma grande encenação. 
 
Em momentos decisivos como este, quando se espera que o Poder Legislativo defenda os interesses do povo, a Assembleia abre mão da sua prerrogativa de fiscalizar o Executivo. Os deputados, em sua maioria, preferem ser meras marionetes do governo. Não percebem que assim estão se afastando ainda mais do povo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato