Seculo

 

O dia em que conheci Billy Moon


29/11/2017 às 17:56
Em minhas andanças pelas ruas, tenho o hábito de observar quem, por todas as vias que passo, pode se tornar personagem de uma boa crônica, ou de uma má crônica, por que não? Não se trata exatamente de achar em qualquer um o "Santo Graal das ideias", e nem a busca de um surto de criatividade em meio ao caos urbano, não, mas de pinçar em meio de tudo, algo singular, fora dos padrões.
 
Numa madrugada de quinta-feira, depois de eu ter tomado três doses de conhaque, depois de ter passado pela beira da praia e visto mulheres e travestis sendo exploradas por rufiões do submundo, e passando por um quiosque, no qual resolvi tomar um suco de laranja e fumar um cigarro, vi ao longe, na areia, um grupo de pessoas, me aproximei deste grupo, vi que eram jovens que escutavam um recital de um velho com cabelo rasta, e que tinha todo um tom teatral, cheio de meneios, uma coisa realmente vigorosa, aquilo me encantou, me tirou do lugar comum daquelas doses rotineiras de conhaque, as quais estava muito habituado.
 
Entrei num mundo paralelo, ali, e já deveria ser bem umas três horas da madrugada, até porque trabalho só de noite, como cronista maldito de panfletos, de jornais clandestinos, passo flyers também, não tenho vínculos com o sistema, e por isso me identifiquei logo de cara com aquele senhor rasta que era pura ousadia, e que tinha o poder de hipnotizar um grupo de uns dez jovens, que estavam ali, admirando a performance do velho style rasta.
 
Ouvia-se da sua performance (peguei o bonde andando): "Tenho tudo do sabor, sabor do vento, sabor da praia, gosto da madrugada e de cerveja, gosto da juventude, tenho tesão de tudo, e tudo me pertence, tal como a água do mar!". Fiquei extasiado com aquelas palavras que eram puro oráculo e pura sabedoria de rua, e com erudição de inteligência universal. "Me visto do jeito que quero, faço o que quero, pois Jah Rastafari é meu pêndulo, meu relógio, tenho minhas horas ao vento, sou poeta ao relento."
 
Que noite! Pensei em acompanhar aquilo até o fim, via naquele velho rasta um vigor raro de quem tem a coragem de romper, e na ruptura estar mais dentro de tudo que todos os outros. "Venha juventude, temos o tempo do universo, o eterno universo, do qual faço verso e canto pela noite sem fim." Nada mais restaria para mim naquela madrugada, senão travar um lero com aquela figura fascinante que me acordou de um transe de conhaque em plena madrugada urbana.
 
"Passei pela Jamaica sim, minha cabeça vai aonde eu quero e como eu quero, sou músico, cantor e poeta. Dou a seta, dou a flecha, sei da queda." Encantamento puro, êxtase divino e místico, iria entrevistar aquele cara, não poderia sair dali mais, sem saber um pouco de sua história, este rasta provavelmente já deveria ter passado por muita coisa, coisa que ninguém nunca viu. Logo vieram os urras daquela juventude que fazia um círculo em volta do rasta, parecia um culto, era um culto, o pastor daquelas ovelhas era o velho rasta, que derramava seus versos de sapiência de um lugar único, sua alma que rodava pela noite, não teria realmente mais nada para fazer, e mesmo se tivesse, cancelaria tudo só para ver como aquele evento terminaria.
 
Eu, Guilherme Thompson, cronista e outsider profissional, reconheci ali um outsider muito mais profundo que eu, era o extremo, eu ainda cantarolava no meio, o rasta já tinha passado do meio, estava na estrada paralela total, ali vivia, e como vivia, não sei, só sei que estava ali, vivo, e declamando no meio da praia, em plena madrugada de quinta para sexta, no meio de uma cidade em que metade de tudo dormia, naquela hora de plenitude e amor. O rasta certamente era muito mais outsider que metade destes que posam por aí, pois ali não tinha pose, era a performance da vida, um cara vivido ali falava, e sabia que jovem é o que vale a pena, pois são eles que ouvem os "malucos da rua".
 
Ali continuava a performance mais vigorosa que já tinha visto: "Eu penso através do encanto, tudo o que canto eu falo do coração, poesia é tudo de canção, não rima com não, tem tudo de si, pois é sim, sim pra vida." Na lata! Tinha acabado de ver um golaço. E os urras dos jovens não paravam, e eram urras de respeito total, nada irônicos, a galera ali realmente estava curtindo de montão, e eu, com uma curiosidade infinita. Guilherme Thompson, the observer, tinha dado um furo, já tinha pauta, yes!
 
E, depois de mais uns quinze minutos de improvisação (sabia que o rasta improvisava tudo ali, no momento, on the spot), então veio a coda máxima: "Eu só como vegetais e frutas, tudo é planta, a planta marginal das ideias, e tudo que é ideia vem da alma, vai para o corpo e vira palavra, vira canto e é sinal da estrada, vida da estrada, vida de cantor, vida de quem bate tambor e toca violão, vida de quem bateu de cara, levantou e virou lenda, é a lenda de cada um, folclore da realidade, vida em atividade, ação direta de amor, vida incerta que o rumo deu." Fechou a coda. Vivas e bravos. Decidi me aproximar, discretamente, do velho rasta.
 
Cheguei até a ele, entre os dez jovens que conversavam com ele. Pedi licença, educadamente, e travei o lero que precisava: "Caramba cara! Gostei muito de tudo que você disse, foi tudo de improviso, man?" "Ah, eu sempre faço o que dá na telha, sempre foi assim, desde que fugi de casa com dez anos de idade, lá no Nordeste, e resolvi viver por aí. Conheci um velho hippie, isso era lá pelas bandas dos anos 60, e ele me ensinou artesanato, e depois mandou eu me virar. Foi bom, passei a viver na estrada, conheço a América do Sul na palma da minha mão, e tenho tudo escrito em diários, não sei se passo isso para a frente, mas desencanei e resolvi dar uma de desapego bicho, sabe como é?!"
 
"Puxa, sua vida é fascinante, desculpe, não me apresentei, sou cronista de panfletos, de jornais marginais, meu nome é Guilherme Thompson, e isso que você fez, aqui agora, foi a melhor coisa do meu dia, muito obrigado cara, posso citá-lo num texto? Seria uma honra, qual a sua graça?" "Meu nome de batismo é Francisco, mas, meu nome de guerra, em meio aos rastas, é Billy Moon. Bem doido, né bicho?" "Incrível."
 
"Ah, e pode escrever o que tu quiser bicho, não tem grilo de nada não, nem peço nada, me viro bem por aí, e boa sorte aí nos seus trampos, a vida não é fácil, mas com poesia e música tudo fica bom, bicho. Nem sabia que tinha um jornalista aqui por estas bandas, me vendo nessa doideira improvisada, muito legal bicho, e a juventude nem se fala, são os únicos que nos ouvem por aqui nesse lugar maluco, já já volto para a mata, que é lá o meu lugar." "Que bom cara, vou escrever a matéria hoje, o dia em que conheci Billy Moon, inesquecível, muito obrigado bicho." "Não foi nada, é isso aí!" "Valeu cara, a gente se vê por aí." "Paz de Jah." "Paz de Jah".
 
Guilherme Thompson, cronista e outsider.
 
(obs 1 : Guilherme Thompson é um pseudônimo que usarei uma vez ao mês com crônicas fictícias, os outros assuntos gerais e culturais continuarão sendo abordados na coluna)
 
(obs 2 : Guilherme Thompson é um cronista outsider, documentarista eventual, jornalista autodidata, nascido em 01/01/1974 na cidade do Rio de Janeiro, ganha a vida em jornais diversos, trabalha por demanda própria, vive nas ruas caçando pauta, meio como um antropólogo intuitivo, estuda literatura e filosofia por conta própria, gosta de se vestir com camisas de bandas de rock clássico).     
 

Gustavo Bastos, filósofo e escritor
Blog : http://poesiaeconhecimento.blogspot.com 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato