Seculo

 

Eleitor imaturo


30/11/2017 às 23:11
Nas democracias já ficou consagrado que o voto é a principal ferramenta de cidadania do eleitor. É a oportunidade para promover mudanças na política, “punindo” quem não entregou o que prometeu, reelegendo os que merecem nova chance ou abrindo espaço para a renovação. 
 
Tudo isso em tese. Na prática, o que se percebe, muitos vezes, é que o eleitor ainda ignora o poder do voto. Ao final de cada eleição, os observadores costumam repetir a mesma frase, em tom de lamentação: “A democracia brasileira ainda é muito jovem e o eleitor está aprendendo a votar”.
 
Por essa lógica, seria possível supor que daqui a algumas eleições a qualidade dos políticos tenderia a melhorar. Mas, na prática, não é bem assim. A percepção que se tem, confirmada por pesquisas, é que o eleitor não acredita mais no político e na política. O processo eleitoral, das campanhas até a hora derradeira do voto, é visto como um martírio, uma penitência. O eleitor, em sua maioria, vota contrariado, quer apenas se livrar do dever cívico de votar.
 
Mas o esperado amadurecimento do eleitor não acontece somente nas urnas, no exercício do voto. A consciência do voto, num cenário ideal, depende do envolvimento do eleitor com o processo político, ou seja, é preciso se informar mais, fiscalizar os mandatos mais de perto e cobrar de forma mais veemente a classe política. 
 
Na sessão dessa quarta-feira (29) na Assembleia Legislativa ficou evidente que o eleitor está a anos luz desse esperado amadurecimento político. A Casa aprovou, de olhos fechados, o Orçamento 2018. O único voto contrário foi do deputado Sergio Majeski (PSDB). Ele criticou a subserviência dos colegas, que aceitaram aprovar o projeto de lei do governo sem retoques. Os deputados abriram mão da prerrogativa de discutir o orçamento. Era a chance que eles tinham de, na condição de representes do povo, “corrigir” a distribuição dos R$ 17,8 bilhões estimados para o orçamento do ano quem vem.
 
Mas a maioria dos deputados deixou a decisão nas mãos do governo. Pior, aceitaram a imposição do Palácio Anchieta e não assinaram os destaques dos colegas para evitar debates e, consequentemente, desgaste ao governo. 
 
Indignado, Majeski lamentou que a Assembleia continuava funcionando como “puxadinho” do Palácio Anchieta. Ele lembrou aos colegas que a aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) é a votação mais importante da Casa. Mas nada disso sensibilizou os parlamentares. 
 
Mas o que explica tamanho servilismo do Legislativo ao Executivo? O próprio Majeski respondeu essa questão ao assinalar que estava sentindo falta dos sindicatos, dos movimentos sociais, da sociedade civil organizado em uma votação tão especial. Reafirmou que a LOA decidiria, em última análise, os investimentos em áreas essenciais como educação, saúde e segurança. 
 
Será que os deputados adotariam essa mesma posição de subserviência se eleitor estivesse presente na votação do orçamento, exigindo que a Assembleia fiscalizasse a peça do Executivo? Provavelmente, não. Temeriam que este participativo eleitor poderia puni-los nas urnas. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato