Seculo

 

O problema é o Brasil


02/12/2017 às 17:58
Desde o mês passado, o governador Paulo Hartung (PMDB), que passou os três anos afirmando que o Estado estava quebrado, que era preciso cortar gastos,e que o capixaba teria que comer sal, decretou o fim da crise. Com a proximidade do início do processo eleitoral, coincidentemente, o governador anuncia, com otimismo, a melhora para 2018. 
 
A narrativa do governador de mágica recuperação tem um elemento bem importante: a grama do vizinho. Hartung passou seu terceiro mandato reforçando seu discurso de excelência, usando como exemplo a situação do Rio de Janeiro. Agora ele mantém a comparação e acrescenta um outro fator de risco para o futuro do Estado: o Brasil. 
 
“O Espírito Santo já saiu da crise. Nossa receita voltou a crescer. Nossos vizinhos estão tropeçando nas próprias pernas. A nossa pedra no caminho tem nome e sobrenome, é o Brasil e Brasília. Precisamos que o País também ache o seu caminho" , afirmou o governador, em visita ao norte do Estado.
 
A fala prepara o caminho para um discurso para fora e dentro. Depois de estreitadas suas possibilidades de articulação nacional, o governador tenta mostrar que pode contribuir nacionalmente, como também tem condições de gerir o Estado diante da grande pedra no caminho do Estado, que é o Brasil. 
 
É a fala de quem fez o “dever de casa” e que se ofereceu para ajudar o País, mas como o País não quer, tem condições de melhorar a situação de seu eleitorado-base, o Espírito Santo. Da mesma forma que deu amplitude a um rombo, existente sim, mas não tão desesperador como colocado em sua campanha, agora quer criar a sensação de trabalho exemplar, mostrando o cofre no azul. 
 
O discurso, porém, é perigoso. O superávit de R$ 1,2 bilhão já aguça parte da classe política. E se 2018 vai ser tão bom assim, a fila de cobradores na porta do Palácio Anchieta tende a crescer. O governador segurou o tradicional abono do funcionalismo, que também não teve reajuste, os prefeitos também estão com pires nas mãos, e os deputados estaduais com emendas para serem empenhadas. 
 
O governador deu amplitude à crise, agora decretou seu fim. Terá que lidar em 2018 com a euforia criada e convencer o eleitor que tudo isso não foi uma artimanha política para que o governador do pequeno Espírito Santo tivesse assento no debate nacional. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato