Seculo

 

Theodorico Ferraço pede certidão sobre retirada de assinatura dos destaques


04/12/2017 às 16:27
O deputado Theodorico Ferraço (DEM) apresentou na sessão desta segunda-feira (4) um requerimento à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, pedindo uma certidão sobre a retirada das assinaturas dos deputados Esmael Almeida (PMDB) e Almir Vieira (PRP) do requerimento, de sua autoria, para votação de destaques das emendas rejeitadas pela Comissão de Finanças na semana passada. 
 
Na segunda-feira (27), Ferraço conseguiu as 10 assinaturas necessárias para protocolar o destaque de mais de 120 emendas rejeitadas pela Comissão de Finanças da Casa. O requerimento chegou a ser lido no Expediente da terça-feira (28). O deputado não contava, porém, que dois parlamentares retirariam suas assinaturas no apagar das luzes, inviabilizando a apresentação dos destaques propostos por Ferraço no dia seguinte.
 
Ferraço alegou nesta segunda que a retirada das assinaturas aconteceu às 14h46. Ele alegou que não haveria tempo para serem lidas no Expediente, tampouco haveria tempo hábil para que o deputado proponente substituísse os nomes retirados. 
 
Ferraço afirmou ainda que a retirada foi feita a pedido do governador Paulo Hartung e que vai ingressar na Justiça contra a movimentação. Após afirmar que a manobra foi humilhante, ele disse que os deputados foram cooptados a retirar seus nomes. Ainda criticando o episódio, Ferraço disse que houve o cerceamento do direito do deputado de legislar. 
 
Retiraram as assinaturas do requerimento os deputados Esmael Almeida (PMDB) e Almir Vieira (PRP), que atenderam ao apelo do líder do governo, Rodrigo Coelho (PDT), para que não houvesse votações de destaque. O governo queria que o projeto fosse aprovado sem nenhum retoque.
 
Além de Theodorico, os deputados Sergio Majeski (PSDB), Bruno Lamas (PSB) e Freitas (PSB) reclamaram da articulação palaciana para impedir a discussão dos destaques. Eles não conseguiram reunir as 10 assinaturas necessárias para apresentar os destaques das emendas rejeitadas na Comissão. O pedido de Theodorico Ferraço foi deferido pela Mesa Diretora.
 
O orçamento do Estado para o próximo ano está estimado em R$ 16,8 bilhões. As maiores fatias são destinadas à saúde (R$ 2,5 milhões), educação (R$ 2,2 milhões) e segurança (R$1,9 milhão). Entre os poderes a divisão foi a seguinte: Executivo (R$ 14 bilhões), Legislativo (R$ 191 milhões), Judiciário (R$ 1,1 bilhão), Tribunal de Contas (R$ 148,9 milhões), Ministério Público (R$ 371,4 milhões) e Defensoria Pública (64,3 milhões).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Defensoria Pública apura responsabilidades em mortes de bebês na UTI do Hospital Infantil de Vila Velha