Seculo

 

Acordo com Vidigal não ameniza críticas de Da Vitória ao governo do Estado


05/12/2017 às 16:48
Se o mercado político entendeu que o acordo entre o deputado Josias Da Vitória e o deputado federal Sérgio Vidigal para um consenso em relação à eleição do PDT mudaria o perfil do deputado estadual em relação ao governo do Estado, se enganou. No dia seguinte ao encontro entre as lideranças, o deputado Da Vitória não poupou críticas à política do governador Paulo Hartung.
Da Vitória ocupou a tribuna da Assembleia na tarde desta terça-feira (5) no horário destinado às lideranças partidárias para retomar um discurso que havia iniciado na fase das comunicações sobre os aumentos nas taxas de licenciamento ambiental e do Detran-ES e não faltaram críticas à forma como governo gerencia os recursos do Estado.
 
Antes disso, ele falou dos 11 anos de participação no partido de Leonel Brizola e do fortalecimento da sigla no Estado e no País. Com o acordo com Vidigal, Da Vitória não deve mesmo deixar o partido e fez questão de frisar seu comprometimento com o PDT.
 
O deputado afirmou que o governador vem vendendo uma imagem para fora do Estado de excelência e tenta se credenciar para o debate nacional como vice “de Joaquim Barbosa ou daquele apresentador de TV [em menção a Luciano Huck], que nem candidato foi”. Acrescentou que Paulo Hartung vem se promovendo à custa de uma política que imprime ao cidadão capixaba um preço muito alto.
 
Ele lembrou também da falta de habilidade do governador e sua equipe durante a crise da Polícia Militar e a tentativa de criminalização do movimento pela intransigência de buscar a via do diálogo com as categorias. Da Vitória criticou ainda a política de arrocho do funcionalismo público.  
 
O deputado foi aparteado pelo deputado Sergio Majeski (PSDB), mais ferrenho opositor ao Palácio Anchieta na Casa, que reforçou o discurso crítico ao governo do Estado, destacando os gastos do governo com publicidade e falta de comprometimento com as políticas públicas.
 
Da Vitória lembrou da ingerência do governo na aprovação do orçamento do Estado para o próximo ano, quando os deputados foram assediados pelo Palácio Anchieta a não apresentaram emendas ao projeto. E deixou um recado aos colegas que insistem em permanecer incondicionais na base do governo, ao lembrar que a Casa será cobrada por meio do voto do eleitor.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato