Seculo

 

Camponeses iniciam greve de fome contra a reforma da Previdência


05/12/2017 às 18:14
Camponeses do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) iniciaram, nesta terça-feira (5) uma greve de fome em repúdio à Reforma da Previdência, que pode ser votada ainda nesta semana na Casa. O ato foi iniciado pelos camponeses Frei Sergio Görgen, Josi Costa e Leila Denise Meurer em Brasilia.

O MPA considera que a retirada dos trabalhadores rurais da proposta para votação é uma armadilha com o objetivo de conseguir votos de deputados que têm base eleitoral nas regiões rurais do País. Além disso, também é uma estratégia para dividir a resistência e a unidade da classe trabalhadora para aprovar a reforma em duas partes, sendo primeiro para os trabalhadores urbanos e depois os rurais.

Para o MPA, a greve de fome significa que alguns passarão fome por alguns dias para evitar que muitos passem fome uma vida inteira.

Também foram feitos trancamentos de rodovias em protesto, que deve durar toda a semana como fator de pressão e de mobilização contra a proposta e o governo federal.

O MPA considera que a retirada dos trabalhadores rurais da proposta para votação é uma armadilha com o objetivo de conseguir votos de deputados que têm base eleitoral nas regiões rurais do País. Além disso, também é uma estratégia para dividir a resistência e a unidade da classe trabalhadora para aprovar a reforma em duas partes, sendo primeiro para os trabalhadores urbanos e depois os rurais.

Os trabalhadores rurais pretendem reunir esforços com os trabalhadores urbanos e entidades de classe para barrar a votação e derrotar a reforma na Câmara. O argumento de que os trabalhadores rurais estão fora da reforma não convence os camponeses, já que   filhos, netos, irmãos e parentes dos camponeses estão nas cidades e serão atingidos, atingindo toda a classe.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena