Seculo

 

Passagem de Lula pelo ES desperta militância para processo eleitoral de 2018


05/12/2017 às 18:14
A passagem de Lula pelo Espírito Santo foi considerada positiva. No mercado político, a experiência seria um teste para o ex-presidente fora do Nordeste do País, onde ex-presidente é muito forte. Pela atração de cerca de sete mil pessoas no evento dessa segunda-feira (4), na Praça Costa Pereira, no Centro de Vitória; na manhã desta terça (5)o auditório lotado no Ifes de Cariacica e fechando com uma escala rápida em Cachoeiro de Itapemirim, de onde seguiu para o Rio de Janeiro. A recepção capixaba parece ter superado as expectativas das lideranças petistas no Estado.
 
 
A caravana de Lula ao Espírito Santo e Rio de Janeiro faz parte da terceira etapa do projeto, que ainda pretende percorrer as demais regiões do Brasil. Em agosto e setembro, Lula percorreu os nove estados nordestinos, visitou inúmeras cidades, ouviu e conversou com o povo. Em outubro, foi a vez do estado de Minas Gerais.
 
Para o presidente estadual do PT, João Coser, a passagem de Lula pelo Estado foi muito positiva, tanto em relação ao discurso “pra cima” de Lula quanto no tocante ao debate temático, voltado para a educação. Tônica da fala desta terça-feira (5), no Ifes de Cariacica. O clima positivo, na avaliação de Coser, renova o ânimo da militância.
 
O presidente do partido fez questão de frisar que a caravana não tem um viés eleitoral, mas de motivação para que o partido e as forças de esquerda, além de parte da população insatisfeita com a política do governo Temer, possam começar a refletir o futuro do País.
 
Animado com a motivação, Coser acredita que o partido pode, a partir de agora, construir seu projeto para 2018 com os parceiros, tendo como foco os movimentos sociais e o legado do governo Lula. “A presença dele é motivo de inspiração para começarmos a refletir o cenário de 2018, um instrumento de motivação. Lula expressa essa esperança de um futuro diferente do que está posto”, assinalou Coser.
 
Sobre a construção de palanque majoritário para dar sustentação ao projeto nacional, Coser afirmou que isso não foi discutido no partido, mas acredita que ainda há tempo de o PT erguer um projeto próprio e mais fortalecido. Mas ponderou, porém, que nada pode ser antecipado ainda antes de um debate interno forte para a construção desse projeto partidário.
 
Falta sintonia
 
O deputado federal Givaldo Vieira, que disputou com Coser a presidência do partido em março deste ano, também classificou como positiva a passagem de Lula pelo Estado. Ele destacou a expressividade da participação da militância nos dois eventos na Grande Vitória, tanto para o partido quanto para os aliados, frisando a participação de lideranças de outros partidos de esquerda, como o PCdoB.
 
 
Ele destacou ainda que o restante da passagem de Lula – a caravana seguiu para o sul do Estado, fazendo uma rápida parada em Cachoeiro de Itapemirim antes de chegar a Campos, no norte do Rio de Janeiro, próxima agenda de Lula. A passagem rápida por Cachoeiro foi esvaziada por causa das fortes chuvas que afetam toda a região sul do Estado, mesmo assim, segundo Givaldo, houve uma grande troca de carinho da população com o ex-presidente.
 
Para Givaldo, Lula representa uma esperança para um setor da sociedade para uma mudança no atual quadro da política brasileira, que impõe a exclusão de uma parcela da população, a entrega do patrimônio brasileiro e cortes de verbas para programas sociais. “Lula é a esperança de uma parte da população que quer mudança nos rumos do País”, disse.
 
Também questionado sobre as articulações no Estado para sustentar esse projeto, o deputado não poupou críticas a atual direção estadual do PT. Para Givaldo, todo esse movimento positivo de fora não condiz com o atual momento do partido no Estado.
 
O comando do PT, para ele, não está em sintonia com esse movimento otimista da militância. Ele destacou que houve incidentes na passagem de Lula por Vitória que apontam a insatisfação da militância com o atual comando estadual do PT. Givaldo se referia às vaias direcionados a Coser.
 
Superou a expectativa
 
O deputado Helder Salomão, outro liderança importante do partido, também estava bastante satisfeito com o resultado da passagem da caravana do ex-presidente pelo Estado. Para ele, a mobilização na Praça Costa Pereira e a agenda no Ifes, mais focada, superaram as expectativas.
 
Bem avaliado no Nordeste, havia uma preocupação do mercado sobre a vinda de Lula para o Sudeste. Mas para Helder, a vinda do presidente ao Espírito Santo e o acolhimento da população “mostrou que Lula é uma liderança nacional e não só regional”, disse.
 
 
O deputado federal esteve em feiras livres em Serra e Laranjeiras e fez convites pessoalmente à população e disse que o no contato direto o eleitor acolheu muito bem a vinda de Lula  e que embora parte da mídia insista em diminuir o capital do ex-presidente, Helder afirmou que a compreensão da população impede a desconstrução do legado do governo do PT.
 
Na agenda dessa segunda, Helder destacou a antecipação dos royalties do Petróleo, em 2003, que ajudou o então governador Paulo Hartung, no seu primeiro mês de mandato, a pagar a folha do funcionalismo público. Ele também destacou os investimentos sociais de Lula na educação, como a ampliação dos Institutos Federais (Ifes), que pularam de cinco para 21 unidades no Espírito Santo no governo do petista.
 
Sobre o papel do partido no processo eleitoral do próximo ano, o deputado federal destacou a fala de Lula, que disse que estava quieto e mexeram com ele. Agora vai provar inocência e voltar a governar o Brasil. Neste sentido, afirmou, em cada Estado o PT deve construir alianças que tenham identidade com esse palanque nacional.  
 
No Espírito Santo, a discussão é embrionária, mas as lideranças do PT vão fazer o exercício de oposição ao governo federal, e progressistas que toparem a candidatura do ex-presidente. “Não nos interessa acordos com partidos que apoiaram o golpe e não podemos perder o diálogo permanente com as forças de esquerda alinhados com o palanque que está em construção”, afirmou.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato