Seculo

 

Fim dos sobrevoos com agrotóxicos é aprovado em Boa Esperança


07/12/2017 às 16:54
A população e os vereadores de Boa Esperança, no noroeste do Estado, conquistaram uma importante vitória na luta contra os agrotóxicos nessa quarta-feira (6), com a aprovação, por unanimidade, de um projeto de lei de iniciativa popular – o primeiro do município – que visa proibir a aplicação aérea de venenos agrícolas.

O placar 8 x 0 foi comemorado pela população, que lotou a Câmara, dentro e fora do Plenário, após uma caminhada pelas ruas da cidade, empunhando cartazes e uma réplica das aeronaves cor de laranja que despejam os agrotóxicos sobre seringais e vilas do município.

Às 13h, duas horas antes do início da sessão, uma reunião de urgência chegou a ser realizada por pressão do superintendente federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Dimmmy Herllen Silveira Gomes Barbosa, que ameaçou entrar com recurso de inconstitucionalidade contra o PL, caso fosse aprovado pelos vereadores.

Durante a sessão, o superintendente federal conseguiu fazer uso da palavra e repetiu as ameaças, sintonizando seu discurso com o do representante da Aeroverde, empresa que faz sobrevoos com agrotóxicos na região. “O Alexandre [proprietário da Aeroverde] quis mesmo nos humilhar”, conta Padre Romário Hastenreiter, pároco de Boa Esperança e principal articulador da mobilização que resultou no PL de Iniciativa Popular, referindo-se às acusações feitas pelo empresário, de que o PL não tinha dados consistentes.

A população reagiu às ameaças que pareciam tentar a suspensão da votação. Os ânimos se acirraram e a Polícia Militar chegou a ser chamada. “Mas felizmente a votação aconteceu e aprovação foi por unanimidade”, comemora o pároco.

A articulação teve início em janeiro deste ano, após o flagrante, pelo padre, de um voo rasante de uma aeronave que aplicava agrotóxicos próximo à comunidade de Quilômetro Vinte, num domingo pela manhã. No mesmo dia, o pároco se reuniu com o prefeito, que estava de férias, e, em seguida, com vereadores, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e outros atores sociais ligado à causa agroecológica.

Em março, o coletivo – que crescia continuamente – realizou um seminário, convidando o Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural (Incaper), o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), a empresa Aeroverde e outros atores locais.

O evento aumentou a adesão da população ao movimento. Secretários de agricultura, meio ambiente e saúde levantaram dados sobre as contaminações com agrotóxicos no município e a coleta de assinaturas alcançou quase dois mil nomes, mais do que o dobro do necessário, visto que um projeto de lei de iniciativa popular precisa ter o apoio de pelo menos 5% do total de eleitores.

A redação do texto foi concluída e o projeto levado à Câmara. No dia 11 de outubro, por volta das 5h30 da manhã, Padre Romário conta que um novo flagrante de sobrevoo com agrotóxicos, desta vez num seringal próximo à cidade, motivou a intensificar a mobilização.

A Câmara então solicitou a realização de um novo seminário, não aceitando os resultados do realizado em março. Mas, devido ao não comparecimento do Incaper e Idaf, acatou o primeiro evento, marcando a data da votação.

Após a vitória desta quarta-feira (6), o superintendente federal da Agricultura voltou a se manifestar contra a iniciativa popular, desta vez nas redes sociais. “O problema relacionado ao uso dos agrotóxicos é complexo. Não é um projeto de lei simplista e inconstitucional que vai resolver os problemas ... precisamos esclarecer e orientar os produtores”, disse em um de seus posts.

A despeito da pressão ministerial, a sanção pelo Executivo é esperada para a próxima semana, visto que o prefeito Lauro Vieira da Silva tem se manifestado publicamente favorável à iniciativa. “Na nossa primeira reunião em janeiro, ele ficou emocionado. Sua esposa faleceu recentemente de câncer e os próprios médicos suspeitaram que a causa da doença foi o uso intensivo de agrotóxicos na região”, conta padre Romário.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato