Seculo

 

Coordenador na Nacional do PV nega movimentação para fazer Erick presidente do partido


07/12/2017 às 19:17
O coordenador da Executiva Nacional do PV no Espírito Santo, Fernando Guida, tratou como boatos que atenderiam ao projeto do governador Paulo Hartung para a disputa de 2018, as notícias sobre a a transferência do comando do partido ao deputado estadual Erick Musso (PMDB), atual presidente da Assembleia Legislativa. O objetivo do governador seria se apossar do PV capixaba que, sob a antiga presidência de Cidneia Fontana, não se alinhava ao hartunguismo. 
“Diante dos boatos sobre uma possível modificação na direção do Partido Verde, no Espírito Santo, esclareço que não existe esta hipótese e que nosso presidente estadual e sua equipe lá estão legal e legitimamente e contam com total confiança da Executiva Nacional em seu trabalho, que certamente trará resultados relevantes para o partido e importantes para uma política capixaba com mais qualidade”, diz a nota da direção nacional do PV.
 
Diferentemente de Cidneia, que tinha peso político e sabia liderar o partido, o novo presidente, Fabrício Machado, secretário de Meio Ambiente e Agricultura de Viana, tem uma representatividade muito restrita, não é uma liderança de nível estadual e, sim, municipalista, com universo politico que não ultrapassa os limites do município de Viana. A informações de que o PV estaria aberto ao diálogo com o Palácio Anchieta surgiram desde sua posse no cargo, após a morte da ex-presidente, em outubro passado.
 
O PV capixaba tem em seus quadros um deputado federal, Evair de Melo, que este ano ameaçou deixar o partido, pois se orienta mais em função dos seus interesses estritamente pessoais, e o presidente da Câmara de Cariacica, César Lucas. Politicamente, a presença  de Musso na presidência fortaleceria a legenda. Rejeitá-lo, neste momento, significa abrir mão de um presidente da Assembleia com boa influência junto aos demais deputados estaduais. Quanto a Lucas, seu objetivo é candidatar-se a deputado federal, algo muito acima do seu capital político.
 
A atitude de sequer examinar a possibilidade de contar com Musso na presidência do PV, como circulou intensamente no mercado político, mostra que o partido corre o risco de não sair-se bem nas eleições de 2018 no Estado. O PV já havia registrado considerável baixa com a saída do prefeito de Viana, Gilson Daniel, que o trocou pelo Podemos.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A festa do chá
MAIS LIDAS

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado

Sem ração devido à greve de caminhoneiros, avicultores doam 100 mil frangos e 360 mil ovos em Vitória

O livro

Justiça questiona legalidade da contratação de comissionados para gestão de obras milionária

Campeonato de Lançamento de Guimbas ironiza tolerância com a poluição do ar