Seculo

 

Aprimorando a arte das panacéias


08/12/2017 às 18:43
"O que é um peido pra quem está cagado?", perguntou, em voz baixa, o senador, enquanto vasculhava os bolsos em busca de um trocado.
Por um momento, sentiu que faria bem para seu ego, seu id e seu superego ajudar aquela pobre criatura que se metera em sua frente com uma braçada de alvos panos de cozinha.
Nos quatro bolsos das calças e nos quatro bolsos no paletó, o bem votado não encontrou o que procurava.
Infelizmente para a pobre vendedora-pidona, ele só tinha notas graúdas, além dos cartões de crédito. O que fazer?
Dar-lhe uma nota de 50 pegaria mal. De 100, nem pensar.   
"Compra pra me ajudar, Doutor", exclamou a mocinha, já pressentindo o NÃO.
Eram seis panos por 10 reais, uma das maiores pechinchas do Brasil contemporâneo.
Desde o final do século XX proliferam nas ruas os vendedores dessa utilidade doméstica.
Das eleições de 2014 para cá, vender panos de cozinha se tornou algo como uma sugestão metafórica para o país, como se esses pobres ambulantes estivessem a sugerir uma limpeza geral.
"Minha querida", disse o senador, "infelizmente não tenho trocado".
"Então leva um pano por dois reais, por amor de Deus..."
Penalizado, o político olhou para um dos seguranças que lhe abria a porta do carro e mandou:
"Cara, ajuda aí a mocinha que depois a gente acerta..."
"Dotô, também tô desprevenido...", miou o hércules.
Então, virando-se para a vendedora de panos, o senador disse:
"Moça, infelizmente, não podemos ajudar. Fica para a próxima, está bem?"
"Desculpe, Doutor", falou a moça. "Eu sei que não vai ter próxima vez. Nem pra mim, nem pro senhor."
Por essa fala o senador poderia ver o quanto está sujo no conceito popular mas tudo indica que ele perdeu a capacidade de se autoavaliar.
Fechada a porta do carro oficial, a imagem do político desapareceu atrás dos vidros fumê.     
LEMBRETE DE OCASIÃO
"Mais cedo ou mais tarde todo político corresponde aos que não confiam nele". Millôr Fernandes

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado