Seculo

 

Licenças para operação da Samarco em 2018 são ''tapa na cara'' dos atingidos


12/12/2017 às 18:24
Um “tapa na cara” dos atingidos. É assim que ressoa a obtenção, pela Samarco/Vale-BHP, das licenças prévia e de instalação para a Cava Alegria Sul, localizada no Complexo de Germano, entre Mariana e Ouro Preto/MG, o mesmo onde se localizava a barragem de Fundão, que rompeu no dia cinco de novembro de 2015, matando 19 pessoas, inundando cidades e distritos no leito do Rio Doce e destruindo a pesca e o turismo também em boa parte do litoral capixaba.
“No Espírito Santo eles [Fundação Renova, criada para executar os programas de compensação e reparação ao crime] só enrolam, empurram com a barriga”, reclama a pescadora Eliane Balke, do Fórum Norte da Foz, moradora de Campo Grande/São Mateus, região que sequer foi cadastrada pela Fundação Renova, para o recebimento do auxílio emergencial ou indenizações.
 
Passados dois anos, a empresa contratada pela Renova iniciou recentemente o cadastramento dos atingidos. A análise dos formulários preenchidos pelos moradores, no entanto, segundo a pescadora, só será anunciado no final de março e o chamamento para o recebimento dos cartões de auxílio somente no final de junho.  “Aqui 'tá' deserto, os barcos não estão pescando, não tem turista, quem ainda não recebeu o auxílio continua comendo o peixe contaminado”, descreve a militante do Fórum Norte.
 
Entre os atingidos, as notícias de mortandades de peixes, das dificuldades financeiras das famílias e dos problemas de saúde continuam circulando com intensidade. A mais recente mortandade divulgada no litoral norte ocorreu em Urussuquara. “Uma colega de lá me falou dessa mortandade, há poucos dias”, lamenta Eliane. “Em Itaúnas e Caravelas, pescadores me enviaram fotos do mar vermelho, das redes sujas, vermelhas de lama”, conta.
 
Apesar de todos os danos sociais e ambientais incalculáveis provocados pela ineficiência da Samarco e suas controladas Vale e BHP Billiton, o maior crime ambiente do Brasil e o maior do mundo na história da mineração continua impune, tanto com relação às multas emitidas pelos órgãos ambientais, quanto à penalização criminal dos responsáveis.
 
As licenças para a Cava Alegria Sul foram emitidas nesta segunda-feira (11) pela Câmara de Atividades Minerárias do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais (Semad), por 11 votos a 1.
 
Segundo divulgado na imprensa nacional, as duas licenças representam o início do processo de retomada das atividades da mineradora e os próximos passos nesse sentido são a conclusão das obras de preparação da cava, pela Samarco, e sua respectiva análise pela Semad, e, em seguida, a emissão das Licenças de Operação (LO) e de Operação Corretiva (LOC), provavelmente em meados de 2018. 
 
A intenção é utilizar a Cava – que é um espaço confinado – em substituição à estrutura da barragem rompida, no armazenamento dos rejeitos que venham a ser produzidos caso a mineradora volte a funcionar. Essa opção permite o uso de 26% da capacidade minerária da empresa.
 
A conclusão do processo permtirá a retomada das operações em Anchieta, sul do Estado. A previsão é que isso ocorra no primeiro semestre de 2018.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso