Seculo

 

À oposição, o respeito!


14/12/2017 às 11:15
A 16 dias do final do ano e faltando uma semana para o início do recesso parlamentar, chama atenção o cenário das sessões plenárias e das Comissões Permanentes da Assembleia Legislativa. Como registrado sempre nessa época, os deputados correm contra o tempo e pressionam para aprovar pacotes de projetos em regime de urgência, sem discussão ou análise, pois tudo já vem costurado do Palácio Anchieta, restando à Casa apenas carimbar.
 
Esse quadro, que foge dos parâmetros da política responsável, tem sido a marca peculiar da atual legislatura, que sepulta toda e qualquer postura contrária aos desejos do Poder Executivo. Uma análise para aprimoramento de um projeto, estranhamente, é olhada como oposição com alto grau destrutivo. Equivocam-se os que assim pensam, e eles são a maioria no legislativo estadual.
 
Único deputado declaradamente de oposição ao governo Paulo Hartung, Sergio Majeski (PSDB) é voz quase isolada na Casa e enfrenta fortes reações às suas posições, apesar da incontestável contundência. Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, o tiroteio é garantido.
 
Um exemplo mais recente ocorreu nessa semana, com as declarações do deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) contra o projeto apresentado por ele para redução de comissionados na Assembleia. Neste caso, os disparos foram em nome do coorporativismo. Mas obedeceram exatamente a mesma estratégia. Vindo de Majeski, qualquer ação soa como uma afronta. 
 
Para além do que o projeto defendia e da importância da divergência de ideias, Enivaldo tratou logo de tentar liquidar o deputado do PSDB. Acusou-o de denegrir a imagem da Assembleia e “jogar para plateia”.
 
Mas não foi sempre assim. No início desta legislatura, Enivaldo e Makeski dividiam o restrito campo crítico da Casa. Com histórico combatente e discursos duros, Enivaldo chegou a protestar diante da ação do governo para barrar a formação de blocos independentes: “É o mesmo que usar um canhão para matar um mosquito”. A ofensiva do governo continua a mesma, mas Enivaldo, nem tanto!
 
Para dentro ou fora da Assembleia, os deputados têm autonomia e devem não só se posicionar como apresentar leis que consideram de interesse público. Embora a classe política insista em negar, o contraditório é inerente da democracia. O que o Espírito Santo precisa, na verdade, é de mais “Majeskis”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace