Seculo

 

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública


14/12/2017 às 20:19
As Defensorias Públicas do Espírito Santo e da União divulgaram uma nota pública em que informam três decisões tomadas nesta quinta-feira (14), em reunião do Comitê Interfederativo (CIF), realizada no Palácio da Fonte Grande, em Vitória. A primeira foi uma ação civil pública contra as empresas Samarco, Vale e BHP, proprietárias da Fundação Renova, responsável por executar os programas de reparação e compensação aos atingidos pelo crime da Samarco/Vale-BHP. As outras duas foram tomadas pelo próprio Comitê contra a Renova: a aplicação de uma multa e a publicação de uma nova Deliberação (número 141).

A Nota Pública, assinada pelos defensores públicos estaduais Rafael Mello Portella Campos e Mariana Andrade Sobral, e pelo defensor público federal Joao Marcos Mariano, explica que a Deliberação 141 determina um prazo máximo de vinte dias para que todos os atingidos estejam recebendo o auxílio financeiro emergencial.

A Renova informou, na reunião,  que irá fazer o pagamento dos auxílios a 141 atingidos, até o dia 18 de dezembro, “devendo a análise dos demais casos relacionados à Deliberação 58 ocorrer até final de janeiro de 2018”, comprovando sua ineficiente atuação e a necessidade das medidas atuais, que já vinham sendo estudadas pelas Defensorias.

A ação civil pública, por sua vez, foi motivada pela “demora injustificada de mais de um ano no atendimento às comunidades do norte do Estado, que privou-lhes de serem reconhecidas e agravou o quadro de vulnerabilidade social no território”.

Assim, a ação tem objetivo de “reforçar judicialmente a execução dos programas socioeconômicos, condenar as empresas pelo dano moral coletivo em virtude do não reconhecimento material dos atingidos, bem como retratação pública das empresas pelo desrespeito e transtornos causados”, explica o documento.

Já a multa, foi aplicada devido à “ausência da execução efetiva dos programas socioeconômicos, principalmente no que diz respeito ao programa de auxílio financeiro emergencial”.

O valor da multa, informam as Defensorias, serão calculados pelo CIF a partir de parâmetros definidos no Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), firmado entre a União, os estados do Espírito Santo e Minas Gerais e as empresas Samarco, Vale e BHP, em fevereiro de 2016.

A destinação da quantia, porém, já foi definida: será revertida em compensações coletivas, especialmente em São Mateus. “Continuamos firmes no propósito de defender de forma integral os direitos dos atingidos capixabas”, afirmaram os defensores. 
 
O CIF é a instância criada para fiscalizar o cumprimento dos programas de compensação e reparação dos prejuízos sociais, econômicos e ambientais advindos do rompimento da barragem de Fundão, da Samarco/Vale-BHP em Mariana/MG, ocorrido no dia cinco de novembro de 2015.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Os calos da esquerda
Apesar de possuir lideranças bem posicionadas, a esquerda só aparece quando os fatos são diretamente ligados ao cenário político partidário
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Os calos da esquerda

Comitê em Defesa de Lula é criado no Estado

Lá e cá

Atílio Vivácqua decreta luto oficial de três dias por morte de prefeito

Relatório internacional de Direitos Humanos destaca violência policial no Brasil