Seculo

 

Ação quer proteger menores de idade dos riscos de se banharem em praias poluídas


18/12/2017 às 17:25
Corre em segredo de Justiça, na 5ª Vara da Infância e da Juventude de Vitória, sob responsabilidade da magistrada Andreia Teixeira de Souza, uma ação (Processo nº 201700292940-72) que visa proteger menores de idade que são levados para se banhar em praias classificadas como impróprias para banho na capital capixaba.

O processo foi originado em uma Notícia de Fato impetrada no Ministério Público Estadual (MP/ES) pela Juntos SOS ES Ambiental há cerca de um mês, em que a entidade denuncia a omissão da Prefeitura de Vitória e dos pais e/ou responsáveis pelos menores a arriscarem sua saúde em águas poluídas por esgoto e outros contaminantes.

A entidade pede providências do MPES – responsável constitucional e legalmente pela defesa dos direitos dos indefesos e incapazes – para que a população seja melhor informada sobre os riscos para a saúde do contato direto com o mar impróprio para banho e que os responsáveis pelos menores de idade sofram também as penalidades previstas na legislação, como o Artigo 132 do Código Penal.

“A Prefeitura tem que sinalizar corretamente e dar conhecimento ao cidadão o que significa uma praia impróprio para banho ou interditada”, afirma Eraylton Moreschi Junior, presidente da Juntos SOS.

Como conselheiro do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdema), o presidente da Juntos diz que já enviou requerimentos à Municipalidade, solicitando campanhas educativas nesse sentido, incluindo cartilhas, grupos educadores nas praias, e mesmo o apoio dos guarda-vidas, comunicando e alertando a população sobre os riscos.

“Quais os custos, para o sistema público de saúde, do tratamento de diarreias, hepatite, doenças de pele e outros problemas causados por águas contaminadas? Ninguém sabe, mas certamente é maior do que o custo de uma campanha de conscientização e fiscalização”, argumenta o ambientalista.

Nas redes sociais, a entidade publicou vários vídeos mostrando crianças, adolescentes e adultos se banhando em vários pontos de praias classificados como impróprios – 2A, 12, 12A, 14 , 15, 18 ,19 E 21 – “pela falta da gestão dos esgotos”. “Se o mar está improprio é por culpa da Cesan [Companhia Espírito Santense de Saneamento] e das Prefeituras”, denuncia. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade