Seculo

 

Iema confirma que Vale mentiu sobre vazamento em Tubarão e aplica multa de R$ 1,62 milhão


20/12/2017 às 14:40
Ao contrário do que a Vale garantiu, os efluentes que vazaram no mar entre Vitória e Serra no dia primeiro de dezembro último, não foram tratados pelo seu sistema de recuperação de água que entrou em colapso. A afirmação é do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), em nota divulgada neta quarta-feira (20), que  comunicou de multa à mineradora de R$ 1,62 milhão pelo crime ambiental.

O Iema informou que “o lançamento desses efluentes no mar atingiu a água, o solo e a biota marinha (fauna e flora), devido ao aumento da turbidez e sólidos suspensos na coluna d’ água. O aumento da turbidez da água pode afetar a distribuição de espécies, o comportamento, a alimentação, a reprodução e a sobrevivência da biota aquática”.

O comunicado oficial afirma que o não tratamento dos efluentes contraria a Condicionante 09/2002 do licenciamento ambiental da Vale, que se baseia na Resolução 02/91 do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema), que define os limites permitidos para os sólidos em suspensão total. Os sólidos encontrados nas amostras analisadas extrapolam a legislação.

As análises constataram também “a presença de alumínio, ferro, manganês, zinco, cromo e fluoreto. "Estes, atendendo aos padrões de lançamento na resolução Comdema 02/91 e Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) 430/2011”. O Iema comunicou ainda que a Vale ainda será notificada da multa.

Inquérito federal

O Ministério Público Federal do Espírito Santo (MPF/ES) havia solicitado a abertura de inquérito para saber se os dispositivos de contenção/tratamento são adequados para evitar o vazamento para o mar, se, de fato, houve tratamento do material antes chegar ao mar, e se houve mortandade de peixes ou fauna marinha, como chegou a ser levantado, devido a uma mortandade de peixes em Manguinhos, na Serra, poucos dias após o ocorrido.

O procurador da República André Pimentel Filho destacou, no requerimento, questionamento sobre a fala do gerente de Relações com a Comunidade da Vale, Daniel Rocha Pereira – amplamente divulgada na ocasião –, dando conta de que "o procedimento é previsto junto aos órgãos ambientais em situação de chuva extrema e que o material é inerte e já havia passado pelo sistema de tratamento, sendo lançado por um ponto licenciado pelo órgão ambiental e monitorado constantemente pela Vale”.

O vazamento também já gerou uma notificação da Secretaria de Meio Ambiente da Serra, solicitando informações sobre o ocorrido e dados do monitoramento de vazão e qualidade dos efluentes.

Após a divulgação da multa e da confirmação das afirmações inverídicas da mineradora, a Juntos SOS ES Ambiental voltou a alertar sobre a necessidade de contratação das Universidades Federais do Espírito Santo e do Rio Grande (Ufes e Furg, respectivamente), para fazer o levantamento dos impactos de mais este crime ambiental, visto que as duas instituições têm acumulado expertise sobre o assunto durante trabalhos relacionados aos impactos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, de propriedade da Samarco/Vale-BHP, ocorrido no dia cinco de novembro de 2015.

A sugestão vem sendo feita desde o dia primeiro de dezembro, quando a entidade chamou atenção para a assinatura do Termo de Compromisso Ambiental Preliminar (TCAP) assinado dias antes, entre a Vale, o Iema, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Seama) e a ArcelorMittal Tubarão, para contratação da Companhia Ambiental de São Paulo (Cetesb) e realização de estudos sobre a eficiência da gestão da poluição do ar pelas duas empresas.

“Com certeza, fatos como esse são reflexos de omissão e submissão do poder público. Não representam impacto positivo nenhum, e sim negativo”, argumentou o presidente da Juntos SOS, Eraylton Moreschi Junior.

“Uma empresa que falta com a verdade descaradamente nas informações oficiais para a sociedade e para os órgão públicos, não merece ser tratada como parceira e muito menos considerada para assinatura de TCAP, TCA etc.”, protestou o ambientalista, nas redes sociais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária