Seculo

 

Iema confirma que Vale mentiu sobre vazamento em Tubarão e aplica multa de R$ 1,62 milhão


20/12/2017 às 14:40
Ao contrário do que a Vale garantiu, os efluentes que vazaram no mar entre Vitória e Serra no dia primeiro de dezembro último, não foram tratados pelo seu sistema de recuperação de água que entrou em colapso. A afirmação é do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), em nota divulgada neta quarta-feira (20), que  comunicou de multa à mineradora de R$ 1,62 milhão pelo crime ambiental.

O Iema informou que “o lançamento desses efluentes no mar atingiu a água, o solo e a biota marinha (fauna e flora), devido ao aumento da turbidez e sólidos suspensos na coluna d’ água. O aumento da turbidez da água pode afetar a distribuição de espécies, o comportamento, a alimentação, a reprodução e a sobrevivência da biota aquática”.

O comunicado oficial afirma que o não tratamento dos efluentes contraria a Condicionante 09/2002 do licenciamento ambiental da Vale, que se baseia na Resolução 02/91 do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema), que define os limites permitidos para os sólidos em suspensão total. Os sólidos encontrados nas amostras analisadas extrapolam a legislação.

As análises constataram também “a presença de alumínio, ferro, manganês, zinco, cromo e fluoreto. "Estes, atendendo aos padrões de lançamento na resolução Comdema 02/91 e Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) 430/2011”. O Iema comunicou ainda que a Vale ainda será notificada da multa.

Inquérito federal

O Ministério Público Federal do Espírito Santo (MPF/ES) havia solicitado a abertura de inquérito para saber se os dispositivos de contenção/tratamento são adequados para evitar o vazamento para o mar, se, de fato, houve tratamento do material antes chegar ao mar, e se houve mortandade de peixes ou fauna marinha, como chegou a ser levantado, devido a uma mortandade de peixes em Manguinhos, na Serra, poucos dias após o ocorrido.

O procurador da República André Pimentel Filho destacou, no requerimento, questionamento sobre a fala do gerente de Relações com a Comunidade da Vale, Daniel Rocha Pereira – amplamente divulgada na ocasião –, dando conta de que "o procedimento é previsto junto aos órgãos ambientais em situação de chuva extrema e que o material é inerte e já havia passado pelo sistema de tratamento, sendo lançado por um ponto licenciado pelo órgão ambiental e monitorado constantemente pela Vale”.

O vazamento também já gerou uma notificação da Secretaria de Meio Ambiente da Serra, solicitando informações sobre o ocorrido e dados do monitoramento de vazão e qualidade dos efluentes.

Após a divulgação da multa e da confirmação das afirmações inverídicas da mineradora, a Juntos SOS ES Ambiental voltou a alertar sobre a necessidade de contratação das Universidades Federais do Espírito Santo e do Rio Grande (Ufes e Furg, respectivamente), para fazer o levantamento dos impactos de mais este crime ambiental, visto que as duas instituições têm acumulado expertise sobre o assunto durante trabalhos relacionados aos impactos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, de propriedade da Samarco/Vale-BHP, ocorrido no dia cinco de novembro de 2015.

A sugestão vem sendo feita desde o dia primeiro de dezembro, quando a entidade chamou atenção para a assinatura do Termo de Compromisso Ambiental Preliminar (TCAP) assinado dias antes, entre a Vale, o Iema, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Seama) e a ArcelorMittal Tubarão, para contratação da Companhia Ambiental de São Paulo (Cetesb) e realização de estudos sobre a eficiência da gestão da poluição do ar pelas duas empresas.

“Com certeza, fatos como esse são reflexos de omissão e submissão do poder público. Não representam impacto positivo nenhum, e sim negativo”, argumentou o presidente da Juntos SOS, Eraylton Moreschi Junior.

“Uma empresa que falta com a verdade descaradamente nas informações oficiais para a sociedade e para os órgão públicos, não merece ser tratada como parceira e muito menos considerada para assinatura de TCAP, TCA etc.”, protestou o ambientalista, nas redes sociais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Os calos da esquerda
Apesar de possuir lideranças bem posicionadas, a esquerda só aparece quando os fatos são diretamente ligados ao cenário político partidário
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Os calos da esquerda

Comitê em Defesa de Lula é criado no Estado

Lá e cá

Atílio Vivácqua decreta luto oficial de três dias por morte de prefeito

Relatório internacional de Direitos Humanos destaca violência policial no Brasil