Seculo

 

Prefeituras de Vitória e Serra se calam diante da Vale


23/12/2017 às 14:14
O silêncio das prefeituras de Vitória e Serra sobre o último crime ambiental da Vale S/A deixa no ar algumas perguntas fundamentais para o entendimento dos reais impactos ambientais provocados pelo vazamento dos efluentes industriais ocorrido no dia primeiro de dezembro.
O local está no limite entre Serra e Vitória e o endereço da tragédia foi alvo de discussão entre a Prefeitura da Serra, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e moradores de ambas as cidades, mas até o momento, nenhuma das duas prefeituras divulgou resultados de seus estudos e providências tomadas.
A ONG Juntos SOS ES Ambiental conta que já inquiriu a Prefeitura de Vitória, no dia do ocorrido, e ainda não obteve retorno. O prazo limite para atendimento à demanda é o próximo dia 31. “Com certeza está muito silente em respeito ao caso", opina o presidente da entidade, Eraylton Moreschi Junior.
 
Já a Secretaria de Comunicação da Serra, em resposta ao questionamento feito por Século Diário, informou que o Departamento de Fiscalização da Prefeitura colheu amostras nas praias e concluiu que “a contaminação não chegou ao mar da Serra”. Mais detalhes sobre os estudos feitos pelos técnicos locais, como local amostrado, quais análises foram feitas e por quais laboratórios, ainda não foram respondidos.
 
“E a grande pluma fotografada em Carapebus?”, pergunta o ambientalista, lembrando fotografia amplamente divulgada nos dias que se sucederam ao crime, e reproduzida nesta reportagem, feita por um morador de Praia de Carapebus, mostrando uma grande mancha marrom escura vinda da direção do local do vazamento e cobrindo boa parte da praia do bairro.
 
“Vergonha! Eles têm os laudos técnicos das análises da água do mar da Serra feito por laboratório isento e idôneo? Tenho conhecidos que viram os peixes mortos e entre eles havia baiacu e outras espécies marinhas”, questiona Eraylton. “Estão se fingindo de mortos, Vitória e Serra”, confronta. 
O Iema foi o único a aplicar alguma penalidade à empresa, mesmo assim, com atraso. Em nota divulgada na última quarta-feira (20), o Instituto divulgou um resumo das conclusões das análises feitas e o valor da multa aplicada: R$ 1,62 milhão.
Na nota oficial, o órgão estadual contesta a afirmação da mineradora, provando que ela mentiu ao dizer que havia tratado os efluentes, conforme declarações do gerente de Relações com a Comunidade da empresa, Daniel Rocha Pereira, dando conta de que "o procedimento é previsto junto aos órgãos ambientais em situação de chuva extrema e que o material é inerte e já havia passado pelo sistema de tratamento, sendo lançado por um ponto licenciado pelo órgão ambiental e monitorado constantemente pela Vale”.
O não tratamento dos efluentes, segundo o Iema, violou a condicionante ambiental 09/2002 e levou ao descumprimento dos “padrões de sólidos em suspensão total, como definido na resolução do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Condema) 02/91”.
A nota diz ainda que “o lançamento desses efluentes no mar atingiu a água, o solo e a biota marinha (fauna e flora), devido ao aumento da turbidez e sólidos suspensos na coluna d’água. O aumento da turbidez da água pode afetar a distribuição de espécies, o comportamento, a alimentação, a reprodução e a sobrevivência da biota aquática”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária