Seculo

 

Risco ignorado


26/12/2017 às 23:40
Recente relatório assinado por cinco engenheiros que integram a Comissão de Infraestrutura do Grupo de Trabalho de Infraestrutura e Mobilidade  Urbana do Conselho Regional de Engenharia (Crea-ES) pôs em destaque a precária situação em que se encontra a Estação Rodoviária de Vitória e, sobretudo, os riscos que correm seus usuários. 
 
Inaugurada 38 anos atrás, era - junto com as Estações Ferroviárias Pedro Nolasco e Leopoldina, em Vila Velha, além do porto e aeroporto da Capital -  uma das portas de entrada para uma região de população numericamente não muito expressiva. Perto de 600 mil pessoas viviam então nos municípios de Vitória, Vila Velha, Cariacica, Serra e Viana, que não só pelos seus vínculos econômicos, mas, principalmente, pela proximidade geográfica, já antecipavam à época a configuração urbana básica do que viria a ser a Região Metropolitana de Vitória. 
 
Seu projeto de construção, ocupando área de aproximadamente 2.000 metros quadrados, já era também, de certo modo, datado desde suas origens - e o tempo encarregou-se de comprová-lo rapidamente. De fato, foi concebida para atender as demandas da capital, mas, obviamente, teve que receber considerável parcela de passageiros que a usavam como ponto de acesso às cidades vizinhas.
 
Considerando-se a amplitude da atual área metropolitana, porém, que inclui não cinco mas sete municípios com um total de quase dois milhões de habitantes, a Estação Rodoviária poderia ser considerada há muito tempo no mínimo antiquada e desconfortável. Isso, com certeza, é o menor dos problemas diante da espantosa descoberta feita há poucos dias, por engenheiros do Crea-Es. Eles viajavam pela baía de Vitória  rumo à Segunda Ponte, onde fariam uma vistoria técnica, quando se depararam com a degradação da base de sustentação da Estação Rodoviária, no nível do mar.
 
O detalhamento técnico do problema, posteriormente descrito num relatório que enviaram à Assembleia Legislativa, revelou extrema preocupação com a segurança de suas instalações.  "Foram identificados desplacamentos do cobrimento de concreto em diversos pontos, a ponto de ultrapassar as armaduras que encontram-se em adiantado estado de corrosão. Parte destas armaduras encontram-se com perda total de seção, situação característica de degeneração e comprometimento do desempenho dos elementos estruturais", enfatizou o relatório. 
 
Em outras palavras, a Estação Rodoviária - por onde transitam hoje pouco mais de cinco mil usuários/dia (quase 2 milhões/ano) -  corre o risco de desabar em face da "ausência de um sistema de manutenção periódica, seja preventiva ou corretiva", como constataram os engenheiros, alertando enfaticamente "para a imediata atenção que merece ser dada a esta estrutura no que tange à recuperação". 
 
Como se sabe, o governo do Estado, que a construiu ao tempo de Élcio Álvares, é juridicamente o responsável por sua administração, mas essa tarefa vinha sendo exercida por empresa terceirizada que se preocupou apenas com a manutenção externa (ressalte-se que até isso é questionável, levando-se em conta a aparência do imóvel). 
 
De qualquer modo, o governo, ao conceder a exploração de um serviço a um ente privado, não está isento do dever e da obrigatoriedade de fiscalizar e zelar pelo cumprimento fiel do contrato, sobretudo quando está em jogo a vida de usuários.
 
Falhou Paulo Hartung, mais uma vez. Nos últimos 16 anos, o governador esteve três vezes no comando do Estado, totalizando quase 12 anos de governo, e uma tragédia que se anunciava dolorosa, não fosse a investigação preventiva dos atentos engenheiros, poderia ter acontecido debaixo do seu nariz, por pura apatia em relação aos seus deveres como gestor público. 
 
O deputado estadual Marcelo Santos (PMDB), presidente da Comissão de Infraestrutura da Assembleia, onde o relatório foi apresentado, já pediu, inclusive, medidas urgentes em ofício direcionado à secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos, Dayse Maria Lemos.
 
Mas, passados oito dias desde que o assunto veio a público, não se sabe ainda quando e quais serão as providências tomadas para sanar o problema, porque o governo Hartung simplesmente não emitiu nenhum sinal. Um risco desse, não pode mais ser ignorado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado