Seculo

 

Não se pode confiar no INMA


27/12/2017 às 11:33
Você já abriu o website da Vale, da Aracruz Celulose, ou da CST? À primeira vista, eles são muito informativos, mas o que chama atenção, é que eles passam uma forte impressão de que o meio ambiente é a maior prioridade institucional, até mesmo maior que os lucros. 
 
O mesmo acontece com o Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA). Até parece que Augusto Ruschi e o museu por ele criado (Museu Mello Leitão) são suas prioridades. E faz sentido, porque deveriam ser – sem Augusto Ruschi e seu Museu, o ES sequer teria mérito para sediar o Instituto Nacional da Mata Atlântica. Sem Augusto Ruschi, o ES sequer teria Mata Atlântica.
 
Acontece que o INMA, recém-criado indecorosamente às custas da extinção do Museu, busca limpar sua imagem. Mas ele o faz de forma hipócrita. Ele busca contar a história do próprio museu que extinguiu usando o patrimônio que alienou, e busca também contar a história de Augusto Ruschi, quem tanto desrespeita.
 
A estratégia de contar a história do Museu Mello Leitão omitindo fatos relacionados com a perseguição à obra de Augusto Ruschi abunda o website do INMA, e sequer pode ser percebida por quem desconhece as conspurcações que se passam por lá.
 
Por exemplo, ao registrar que o Museu sofreu com a grande enchente que acometeu o município em 2000, o INMA informa que “A água, com muito volume, força e altura, inundou a cidade e derrubou um dos muros do Museu, inundando todo o Parque. Foram inundadas as áreas em que funcionavam a zoologia, a botânica, o herbário de exsicatas e os locais ocupados pelos viveiros dos mamíferos, répteis e anfíbios, causando danos em todo o acervo. A água danificou todo o equipamento de informática, o arquivo corrente, slides, fotografias e livros técnicos daqueles setores. A ala mais prejudicada foi o Pavilhão de Botânica Florestal. Pesquisadores, estudantes, moradores e funcionários se mobilizaram para tentar salvar o patrimônio do Museu atingido pela chuva”.
 
Realmente, foi dramático. Diversos animais morreram nos viveiros, e as coleções zoológicas e botânicas ficaram debaixo da água com lama. Os curadores Marlene e Beto Hoffman limparam sozinhos toda a coleção zoológica que foi atingida. Eu participei do grupo de limpeza das exsicatas, junto a Claudio Nicoletti de Fraga e outras pessoas. Foram quase duas semanas limpando e aplicando fungicida em cada uma das mais de 40 mil plantas colecionadas. Por diversos momentos trabalhávamos chorando de tristeza diante daquela cena trágica. Mas a força do grupo não se abalou, e os esforços se estenderam até tarde da noite. Foi um enorme alívio ter as coleções recuperadas, cada pele animal e cada planta, até mesmo as delicadas pétalas das orquídeas, coletadas há mais de 80 anos, foram salvas. 
 
Mas a história contada pelo INMA esconde tragédias sobre o patrimônio do Museu Mello Leitão e a perseguição a Augusto Ruschi que vão muito além da dramaticidade. Nesse caso específico, o texto sequer menciona a existência da “Coleção de madeiras de lei da Mata Atlântica”. Tratam-se de centenas de representantes arbóreos do ES sob forma de plaquetas de madeira e toras com cerca de 80cm de altura identificadas por uma placa de cobre que ficavam distribuídas em um pavilhão. Essa coleção era um testemunho da covardia e crueldade contra as florestas capixabas, bem como do desrespeito com as gerações futuras capixabas. Constituía, literalmente, o que havia sobrado das maiores florestas do Estado, sendo a coleção mais lúdica deixada pelo cientista.
 
Pois bem, passadas as duas semanas de trabalho intenso na recuperação da coleção de botânica e todo alvoroço criado pela enchente, eu perguntei ao então diretor do Museu Mello Leitão, Helio Q. B. Fernandes, onde estavam as toras. Como sempre, sua resposta foi curta e grossa: “estragaram na enchente”. 
 
Mas me pergunto: Como puderam toras de madeira sólida se estragarem na lama, sendo que delicados beija-flores e orquídeas puderam ser recuperados? Não consigo nem imaginar como centenas de metros cúbicos de madeira de lei puderam simplesmente desaparecer do museu. O caminhão de lixo simplesmente recolheu? Eu tenho minhas dúvidas se essa suposta perda foi registrada oficialmente. Nunca vi menção à mesma em lugar algum. Trata-se de uma coleção que tanto o Museu como o INMA fazem questão de apagar. 
 
Desastres naturais como enchentes e vendavais não colocam a obra de Augusto Ruschi em risco. Esse apanágio é exclusivo de pessoas. Pessoas irresponsáveis dispostas a usar o patrimônio público como bem entendem; pessoas que omitem informações e interpretam a história para servi-los; pessoas que atropelam o respeito, talvez porque sequer tenham aprendido essa virtude.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
Roberto Junquilho
Para onde ir?
A crítica vazia e sem fundamento à classe política coloca em risco a democracia
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Flic-ES: 'As livrarias não vendem obras capixabas'

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

'Pensar a educação como a preparação do corpo para sentir, aprender e sonhar'

Webdoc Corpo Flor reflete sobre negritude e sexualidade