Seculo

 

Cenário bom pra quem?


27/12/2017 às 17:59
A força do voto é real e somente a proximidade de uma eleição, como a de 2018, para transformar a crise em fartura, assim, de repente. Foi o que se viu nesta quarta-feira (27), com a entrevista do governador Paulo Hartung, que anunciou um pacote de investimentos da ordem de R$ 1 bilhão. 
 
As perspectivas do Espírito Santo para 2018 são esplêndidas, segundo as fala do governador. Elas são extremamente parecidas com o Brasil que é mostrado na TV, com a economia em franca recuperação, à espera de investimentos de peso, o pleno emprego crescendo.  Essa é a imagem passada, crise é coisa do passado.
 
No entanto, como na economia brasileira, 2018 para o Espírito Sato parece não ser nada animador. Isso de acordo com pesquisas de órgãos credenciados e de especialistas atuantes fora de esferas oficiais.
 
A crise existe, é tão real quanto a falta de reajuste salarial que atinge várias categorias de servidores públicos no Espírito Santo, e que foi esquecida no pacote de investimento do governador. E, sem salário, o consumo cai e a roda da economia gira menos.
 
Assim dizem especialistas, tese que é confirmada pelos que sofrem no bolso, os milhares de servidores públicos capixabas, contrariando os que acreditam que apenas investimento basta para deixar a roda se mover.
 
Apesar da imagem colorida pintada pelo governador, a situação dos trabalhadores na máquina pública é desesperadora. E segundo o secretário de Economia e Planejamento, Régis Matos, eles terão que esperar até o final de março de 2018, quando então o governo poderá dizer se vai ou não pode aumentar seus vencimentos. Haja fôlego. 
 
Cenários construídos por agentes públicos em geral – não somente o governador Paulo Hartung - devem ser alvo para o exercício da consciência crítica por parte da população. Para que não venham a ocorrer decepções coletivas quando eles desmoronem antes mesmo de serem erguidos.  
 
Exemplo é o que não falta: a avenida Leitão da Silva, a Quarta Ponte, entre Vitória e Cariacica, o novo aeroporto, o Cais da Artes, que já consumiu mais de R$ 200 milhões, as 90 barragens prometidas na crise hídrica, a redução da poluição da Vale, o Parque Zé da Bola, em Camburi, e tantos e tantos outros. Essas promessas não podem ser esquecidas. 
 
 
 
 
 
 
 
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace