Seculo

 

O ilusionista


29/12/2017 às 22:22
O que mais surpreende no recente anúncio do governador Paulo Hartung de que o próximo ano será o cenário de suas pirotecnias políticas e eleitorais, graças a um pacote de investimentos de R$ 1 bilhão, não é exatamente o aparecimento inesperado desse volume de recursos, contrariando seu perseverante discurso nos últimos três anos de que o Estado estava quebrado, o que justificou a contenção de gastos no tripé básico formado por saúde, educação e segurança e, principalmente, a adoção de uma impiedosa política de achatamento dos salários do funcionalismo público. 
 
Definitivamente, espantoso é um governador proclamar isso com evidente oportunismo eleitoreiro e a mídia ecoar em manchetes como algo absolutamente normal. Hartung, claro, não está infringindo qualquer normal legal. Apenas aproveita a boa vontade da mídia para dizer como vai gastar num ano em que é potencial candidato à reeleição para o governo ou à disputa de uma das duas vagas ao Senado.  É o auge de uma terapia de choque a que ele submeteu a população, negando-lhe inicialmente benefícios sob o pretexto de um ajuste fiscal indispensável à saúde financeira do Estado para, agora, às vésperas do ano eleitoral, tornar-se o milagroso portador das boas novas.
 
Mas o que essa estratégia deixa evidente, é a necessidade que Hartung tem de superar seu desgaste perante a opinião pública. Nada melhor que um pacote de bondades para tentar ocultar os rastros de sua ineficiência nos três primeiros anos de governo, e que culminou com uma crise de  repercussão nacional e de efeitos extremamente desgastantes no âmbito local e nacional: a greve da Polícia Militar, inconformada com a falta de reposição salarial.

A crise minou de vez seu já combalido capital político. O incensado gestor moderno, que buscava, mediante parcerias à direita do espectro ideológico, voos mais altos no cenário político nacional, numa composição em chapa presidencial, acabou caindo na vala comum dos homens públicos tradicionais.  O que resta a Hartung, seguindo o deprimente exemplo do presidente Michel Temer em sua desesperada busca de votos no Congresso Nacional pela aprovação da Reforma da Previdência, é criar um balcão de negócios para consolidar, por exemplo, apoios de prefeitos, que podem se converter em eficientes cabos eleitorais em 2018. E um R$ 1 bilhão em investimentos, sem dúvida, é muito convincente. 
 
Um astucioso projeto eleitoral que coloca recursos públicos a serviço de uma candidatura, mas ao tempo tempo convencional, já que não passa de comportamento rotineiro na vida de um político conservador. É  tão somente o esfarrapado (ideologicamente) Hartung, depois de trocar o campo da esquerda pelo da direita predadora, exercendo seu  talento de ilusionista no palco de 2018, tal como um redivivo Houdini.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace