Seculo

 

Trabalho escravo tem nova portaria que restabelece conquistas de 20 anos


29/12/2017 às 16:29
O Ministério do Trabalho publicou no Diário Oficial, nesta sexta-feira (29), a Portaria nº 1.293/2017, que restabelece conquistas de vinte anos no combate ao trabalho escravo no Brasil.

A nova portaria substitui a de nº 1.129/17, publicada no último dia 17 de outubro pelo governo Temer, que limitava o conceito de trabalho escravo, favorecendo empresas que ainda fazem uso dessa prática. Uma semana após sua publicação, porém, a desembargadora Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu os efeitos da mesma, até que fosse julgado o mérito de uma ação movida pelo Partido Rede Sustentabilidade, questionando a medida.

O procurador-geral do Ministério Público do Trabalho, Ronaldo Fleury, declarou, nesta sexta-feira, que a questionada portaria era "infeliz, ilegal e inconstitucional " e que é preciso evitar qualquer tentativa de abrandamento no conceito de trabalho escravo no Brasil.

O texto modificava o conceito de trabalho análogo ao escravo e trazia novas regras para a publicação da lista suja, como condicionar a publicação da mesmo à autorização do ministro do Trabalho.

"Espero que aquela infeliz, ilegal e inconstitucional portaria fique apenas no passado. Que nós olhemos para frente sem qualquer apego a uma tentativa frustrada de alteração no conceito de trabalho escravo ", enfatizou o procurador-geral do Ministério Público do Trabalho, Ronaldo Fleury.

Zero a zero

Para a procuradora do Ministério Público do Trabalho Catarina Von Zuben, da Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), é importante lembrar que a nova portaria, no entanto, não avançou no combate ao trabalho escravo. "Essa portaria atendeu às nossas reinvindicações, mas ela simplesmente reproduziu uma situação que já existia e da qual nós temos muito para avançar. Estamos zero a zero de jogo, e temos muito o que lutar ainda ", disse.

"A portaria representa um reconhecimento do avanço da relação entre os órgãos da sociedade civil e os órgãos de governo. Esse foi basicamente um recuo do governo. O governo recuou, mas ainda temos que avançar na tutela dos trabalhadores", completou.

A procuradora explica que a nova portaria traz vários conceitos que já eram colocados em prática e que os auditores e os procuradores seguiam antes da portaria de outubro. "Ganhamos essa batalha. Conseguimos rever o posicionamento em relação à portaria anterior, que era restritiva de direitos, mas em matéria de atuação nossa, nada avançou", reforça Catarina Von Zuben.

Entre outras coisas, a portaria de outubro vinculava a caracterização do trabalho escravo à restrição da liberdade física de ir e vir, contrariando entendimento da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre escravidão contemporânea.

Repercussão negativa

Além da enorme repercussão negativa no Brasil, a portaria também recebeu duras críticas de organismos internacionais, como a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização das Nações Unidas (ONU). A OIT divulgou nota alertando que a medida poderia "interromper a trajetória de sucesso" do Brasil no combate ao trabalho escravo.

"O Brasil tem que voltar a ser referência para o mundo no combate ao trabalho escravo e na definição legal de trabalho escravo. Nós devemos aos nossos trabalhadores, à sociedade o combate incessante a essa chaga que nos envergonha tanto", acrescentou Ronaldo Fleury.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

'Esquenta'

Largada embolada

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Projeto que obriga barreiras de proteção na Terceira Ponte tem parecer favorável na Ales

Mistério Público investiga Secretaria de Saúde de Cariacica por irregularidades em prestações de contas