Seculo

 

Saída providencial


30/12/2017 às 13:05
Não surpreende que, depois de aumentar o patrimônio de suas empresas, mediante cobrança de pedágio sem a contrapartida prevista em contrato com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (Antt), um grupo de empresários capixabas abra mão das ações que possuíam no consórcio ECO 101. 
 
As seis empresas do grupo Centauros Participações Ltda (27,50%) - Águia Branca, Tervap, Coimex, A. Madeira, Urbesa/Araribóia e Contek - deixaram o projeto junto com o grupo gaúcho Grant Concessões e Participações Ltda (14,5%), vendendo suas ações para a EcoRodovias Infraestrutura e Logística SA (58% das ações), por R$ 46,6 milhões. 
 
Alguém estranhou o silêncio clamoroso da maioria daqueles que deveriam, em nome dos mandatos que lhe foram delegados pelos eleitores, questionar de pronto a debandada providencial?
 
É habitual - quando o assunto é a ECO 101 - essa mansidão. Afinal, tratam-se de poderosas empresas que, invariavelmente, alimentam campanhas eleitorais. As do grupo Centauros, por exemplo, fizeram doações para a classe política do Estado da ordem de R$ 2 milhões desde 2002, conforme registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
 
Essa mesma mansidão marcou os três anos de concessão da BR-101. Só começou a mudar, mesmo, depois da segunda tragédia brutal na rodovia, em setembro passado, que somando com a anterior, chegou-se ao total  absurdo de 32 mortes. Após forte pressão popular, parlamentares capixabas e o governador Paulo Hartung começarem a engrossar o coro dos descontentes com o atraso das obras de duplicação. Mesmo assim, tirando uma ou outra exceção, somente quando acionados.
 
As empresas, que agora abandonaram o consórcio, é bom lembrar, fizeram muita questão dele. Recorreram até a Justiça para fazer parte da ECO 101. E parecia correr tudo muito bem, até a lista de desgastes recentes. 
 
Em apenas três anos, a concessionária registrou faturamento de R$ 550 milhões, reajustou os pedágios anualmente e, em contrapartida, fez muito pouco pela rodovia. Sobre as obras de duplicação, medida emergencial para a "rodovia da morte", sempre protelou, apresentando inúmeros argumentos. 
 
Mas o grupo Centauros só agora resolveu se "rebelar", alegando como peso na decisão, o anúncio de que a ECO 101 não irá fazer a duplicação prevista em contrato. Anúncio feito lá atrás. Não deveria ter saído antes? O que mudou? 
 
Reações generalizadas, ações judiciais, ameaças à cobrança de pedágio, de onde vem a bolada da arrecadação, e risco de anulação do contrato. Mais estratégico e fácil se livrar dos previstos imbróglios político e jurídico. É o que parece.
 
Como dizia o sábio Tancredo Neves, esperteza, quando é muita – espera-se -, come o dono. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ales
Mais do mesmo

Na carona de Amaro Neto, lideranças do bloco governista pretendem manter pelo menos dez deputados estaduais na Assembleia. Já pensou...

OPINIÃO
Editorial
Donos das terras
Decisão em favor da titularidade do território quilombola no Estado é um passo importante na reparação de uma injustiça histórica que protege os poderosos
Gustavo Bastos
Jeff Buckley e seu álbum Grace
''O álbum Grace foi lançado em agosto de 1994''
Wilson Márcio Depes
A onipresença da violência
Os elevados índices de violência vêm favorecendo, de forma decisiva, o discurso de candidatos. É fácil verificar
Roberto Junquilho
O foco é o segundo turno
A estratégia do grupo palaciano é atrair a senadora Rose de Freitas para o segundo turno
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Lama da Samarco/Vale-BHP pode ser bomba relógio de metais pesados

Colnago se firma como candidato ao governo, mas não unifica o bloco hartunguista

Indicação do líder do governo para o TCE abre nova frente para oposição na Assembleia

Donos das terras

Jeff Buckley e seu álbum Grace