Seculo

 

Saída providencial


30/12/2017 às 13:05
Não surpreende que, depois de aumentar o patrimônio de suas empresas, mediante cobrança de pedágio sem a contrapartida prevista em contrato com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (Antt), um grupo de empresários capixabas abra mão das ações que possuíam no consórcio ECO 101. 
 
As seis empresas do grupo Centauros Participações Ltda (27,50%) - Águia Branca, Tervap, Coimex, A. Madeira, Urbesa/Araribóia e Contek - deixaram o projeto junto com o grupo gaúcho Grant Concessões e Participações Ltda (14,5%), vendendo suas ações para a EcoRodovias Infraestrutura e Logística SA (58% das ações), por R$ 46,6 milhões. 
 
Alguém estranhou o silêncio clamoroso da maioria daqueles que deveriam, em nome dos mandatos que lhe foram delegados pelos eleitores, questionar de pronto a debandada providencial?
 
É habitual - quando o assunto é a ECO 101 - essa mansidão. Afinal, tratam-se de poderosas empresas que, invariavelmente, alimentam campanhas eleitorais. As do grupo Centauros, por exemplo, fizeram doações para a classe política do Estado da ordem de R$ 2 milhões desde 2002, conforme registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
 
Essa mesma mansidão marcou os três anos de concessão da BR-101. Só começou a mudar, mesmo, depois da segunda tragédia brutal na rodovia, em setembro passado, que somando com a anterior, chegou-se ao total  absurdo de 32 mortes. Após forte pressão popular, parlamentares capixabas e o governador Paulo Hartung começarem a engrossar o coro dos descontentes com o atraso das obras de duplicação. Mesmo assim, tirando uma ou outra exceção, somente quando acionados.
 
As empresas, que agora abandonaram o consórcio, é bom lembrar, fizeram muita questão dele. Recorreram até a Justiça para fazer parte da ECO 101. E parecia correr tudo muito bem, até a lista de desgastes recentes. 
 
Em apenas três anos, a concessionária registrou faturamento de R$ 550 milhões, reajustou os pedágios anualmente e, em contrapartida, fez muito pouco pela rodovia. Sobre as obras de duplicação, medida emergencial para a "rodovia da morte", sempre protelou, apresentando inúmeros argumentos. 
 
Mas o grupo Centauros só agora resolveu se "rebelar", alegando como peso na decisão, o anúncio de que a ECO 101 não irá fazer a duplicação prevista em contrato. Anúncio feito lá atrás. Não deveria ter saído antes? O que mudou? 
 
Reações generalizadas, ações judiciais, ameaças à cobrança de pedágio, de onde vem a bolada da arrecadação, e risco de anulação do contrato. Mais estratégico e fácil se livrar dos previstos imbróglios político e jurídico. É o que parece.
 
Como dizia o sábio Tancredo Neves, esperteza, quando é muita – espera-se -, come o dono. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado